Obsessão pelas ordens, medalhas e carros de luxo

  • -

Obsessão pelas ordens, medalhas e carros de luxo

A obsessão pela falerística é um dos indicadores da degradação das elites. É eloquente a comparação da elite soviética dos anos 1930 (o período heróico da URSS) com a elite da Segunda República Polonesa.

General Tadeusz Komorowski não ganhou nenhuma batalha, mas teve umas 10 condecorações máximas da Polônia.

Edward Rydz-Śmigły

Mariscal Edward Rydz-Śmigły a única coisa que fez como militar foi correr do Exército Vermelho (que foi uma operação muito importante: Edward Rydz-Śmigły salvou seu exército), como consequência de uma só operação exitosa, esse mariscal foi o cavaleiro das dezenas das ordens polacas e das dezenas das estrangeiras.

General Gustav Orlich-Drescher foi uma piada de Deus (responsável pelas “colônias ultramarinas” da Polônia), mas também gostava muito das ordens e medalhas.

Mariscal Józef Piłsudski, o ditador da Segunda República Polonesa, o “avô” da nação polaca, não tinha complexo de inferioridade:

“Há coisas que vocês, polacos, não são capazes de compreender!.. Quanto eu poderia fazer, se governasse um outro povo”.

Jean-Bédel Bokassa

A elite polaca dos anos 1930 chegou ao nível do ditador do “Império” Centroafricano – Jean-Bédel Bokassa.

Que contraste com a elite soviética! O mariscal Semyon Timoshenko, o general Konstantin Rokossovsky (o comandante militar da origem polaca, mais famoso da história), o próprio generalissimus Stalin…

Mas ninguém é imune à degradação: a mesma elite soviética nos anos 1970 já “se polonizou” bastante, basta com olhar para as fotos de Leonid Brezhnev.

Segundo os elitólogos a Polônia é o caso clássico de um país limítrofe, um país que perdeu sua soberania, então a elite polaca virou uma simples ferramenta de controle sobre a plebe nos interesses dos países patrões. Assim as elites perdem a conexão com seus povos e se tornam ridículas.

Konstantin Rokossovsky

A Rússia também tem tendências da “limitrofização”: as elites russas da época do ditador Boris Yéltsin e de seu sucessor Vladímir Putin dão vergonha por seu infantilismo quase do nível “saudita”… Moscou está cheia de carros de luxo, quando o nível de desigualdade na Rússia é terceiro-mundista.

Tal “apartheid” das elites russas foi típico no período do Império dos Romanov,  resultado da infusão do modelo polaco no século XVII (quando a Polônia esteve pronta de conquistar a Rússia, mas no lugar da conquista deu para a Rússia seu modelo da administração: “as elites ocidentalizadas vs o povo escravizado”).

Leia mais:

As elites russas da época de Yéltisn-Pútin:

http://guiademoscou.blogspot.ru/2016/01/sobre-os-gemeos-catedral-de-cristo.html

O modelo da administração dos Romanov:

http://guiademoscu.blogspot.ru/2013/12/los-romanov-mi-historia.html

http://guiademoscou.blogspot.ru/2015/12/imperio-de-cabeca-para-baixo.html