Moscou para as crianças

  • -

Moscou para as crianças

É bastante comum que as pessoas venham para Moscou em família: os pais com seus filhos pequenos, sejam crianças ou adolescentes. É absolutamente normal, porque a capital russa tem muito a oferecer para o turismo familiar. Abaixo damos algumas dicas de lugares para se disfrutar de Moscou em familia:

Parque Zoológico e Planetário

O Planetário de Moscou está situado diretamente na área do Parque Zoológico, por isso ambas visitas podem ser feitas no mesmo dia. Nosso planetário é um dos maiores no mundo, fica no Anel dos Jardins – https://goo.gl/maps/NVbb5o341kk É mais prático ir ao Planetário de táxi ou de ônibus “B”. Aqui você tem a página oficial do Planetário de Moscou: http://www.planetarium-moscow.ru/en/

O planetário tem muitas programações em inglês. Uma das programações mais universais (serve para os russos e para os estrangeiros) é o filme 5D, “Vôo sobre Moscou”. Chuva, vento e vibração dos assentos – tudo isso cria ilusão dum vôo sobre a cidade: sobrevoamos a Praça Vermelha e outros lugares emblemáticos, voamos por dentro das câmaras dos czares, dentro dos túneis de metrô, etc.

O Zoológico de Moscou é um dos mais antigos na Europa, entra no TOP 10 mundial dos zoos mais visitados. Fica no Centro, no Anel dos Jardins mesmo, assim, que passeando pelo Zoo, vocês sempre podem ver um arranha-céu estalinista – o prédio da Praça da Rebelião de 1905 (renomeada hoje para “Praça Kúdrinskaya”, que já não tem significado nenhum). O Zoo nosso tem várias entradas. Uma fica perto da entrada do Planetário, a entrada principal está aqui: https://goo.gl/maps/GHcKZDSSTPE2 As meninas ficarão impressionadas pela gorila Ama, que não tem um braço, e por uma loba-do-ártico com perna torcida, efeito da armadilha de um caçador, que ela sofreu quando era pequena. Se suas crianças têm interesse pela biologia, também podemos sugerir o Museu Charles Darwin: http://www.darwinmuseum.ru/pages/about-museum

Torre Ostánkino (atenção: 7+) e Parque VDNKh

Segundo a experiência de nossos pequenos clientes (antes de tudo, dos meninos) a visita à Torre Ostánkino deixa umas das impressões mais fortes de Moscou. A torre tem um mirante de tirar o fôlego, um restaurante giratório (que se chama o “Sétimo Céu”) e um bar. A página da torre em ingês: http://tvtower.ru/en/services/buro/

A subida à Torre Ostánkino se combina perfeitamente com visita ao parque VDNKh (feira dos êxitos da economia popular em russo, um artefato genial do período da URSS). O parque VDNKh é um Machu Picchu soviético, que além dos pavilhões temáticos, hoje tem muitas oficinas para as crianças e vários espaços de brincadeira, um recreio desenhado ao estilo cósmico fica ao lado do maquete de nosso transbordador espacial BURAN. Pelos invernos o parque VDNKh se torna a maior pista de gelo da Rússia, é o melhor lugar para patinar em Moscou (tanto no gelo, como no asfalto pelos verões). O parque VDNKh tem um oceanarium novo, tem uma granja, onde as crianças podem ter contato com os animais, tem lagos para pescar, etc. É um parque para passar uns 5 anos. A página do parque VDNKh em ingês: http://vdnh.ru/en/

Na área do parque VDNKh fica também um Museu que pode ser interessante para as crianças e adolescentes: Museu da Cosmonáutica – sugerimos visitar este museu e parque VDNKh com guia, porque a história da cosmonáutica soviética, igual à história económica da URSS não é simples para compreender com ajuda da Wiki. A página do Museu da Cosmonáutica: http://www.kosmo-museum.ru/?locale=en

Além da Torre Ostánkino, outro mirante que recomendamos é o Mirante do shopping “Mundo Infantil”, pelo caminho ao mirante, que fica no 6to andar sugerimos passar pela “Exposição dos Brinquedos do Período Soviético”. O shopping “Mundo Infantil” fica no coração de Moscou, na Praça Lubiánka, tem uma praça da alimentação no 6to andar. Atenção: ao entrar ao shopping vão direto para os elevadores e logo para o mirante do andar, no caso contrário sua família pode ficar na bancarrota. O endereço do shopping: https://goo.gl/maps/TAhGofi8zxT2

Moscou militar

O pequeno e íntimo Museu da Defesa de Moscou recria muito bem as condições de vida do dia a dia da capital russa durante a Batalha de Moscou: http://www.gmom.su/ (embaixo da página o museu tem uma apresentação em inglês: horários, endereço, etc.)

Se suas crianças têm muito interesse pela guerra, também recomendamos o Museu Central da Grande Guerra Patriótica, que fica no Parque da Vitória. Este museu, dentre muitas coisas, tem uma recreação impressionante do Assalto de Berlim, além duma exposição dos armamentos ao ar livre. A página do Museu Central da Grande Guerra Patriótica: http://victorymuseum.ru/ (no canto esquerdo superior da tela vocês podem ativar a tradução da página para o português). Outro local, onde se pode ver muito mais armamentos russos, é o Museu das Forças Armadas: https://goo.gl/maps/Dyp8SvPFqeM2

É bastante conhecido também o Bunker-42: esse museu tem muito potencial, mas é caro demais e seu conteúdo não corresponde ao preço cobrado. Cada ano é pior por causa da primitividade, vulgaridade e mercantilismo de seus gerentes, embora pudesse seriamente ser um Museu da Guerra Fria. Mas para as crianças é uma opção muito boa! http://bunker42.com/eng/

Parques e Jardins de Moscou

Os parques e jardins de Moscou são deveras geniais e tem muitas atrações tanto para os adultos como para as crianças. Áreas da recreação ativa são acessíveis nos parques Sokólniki, Izmáilovo, Filí, Meshcherskiy. Os jardins Bauman e Ermitagem quase todo fim de semana de verão tem algum evento para as crianças e para seus próximos. Não mencionamos aquie o parque Zariádie que fica perto da Praça Vermelha, porque é um “MUST SEE” №2 depois da Praça Vermelha mesma.

Circos de Moscou

Moscou tem vários circos, o circo mais histórico é o Circo Nikulin no Boulevard Tsvetnoi. Mas também aparecem os circos novos, que às vezes tem as programações bem fortes: como, por exemplo, o Circo das Fontes Dançantes “Aquamarine” (síntese das fontes dançantes, patinagem artística, palhaçada do nível mundial e certos shows do nível intergalaxial – como o show da família Markin (prêmio do Festival Internacional do Circo em Monte Carlo): https://goo.gl/maps/cwjCgCufv522

P.S.

Se vocês vão passar muito tempo em Moscou, claro que vocês vão descobrir muitas atrações, que não mencionamos:

Túnel de vento, https://i-fly.su/contacts/

Tiro “Laberinto”, http://www.strelclub.ru/

Bio Estação de Alces na Reserva Nacional “Ilha dos alces”, http://elkisland.ru/index/ehkskursii/0-8

Parque Patriot, https://patriotp.ru/

Para as crianças apaixonadas por dinossauros sugerimos o Museo Paleontológico, https://www.paleo.ru/museum-en/

E muitas outras. Além disso sempre podem encontrar algo interessante para as crianças nos calçadões de Moscou, que cada ano conquistam mais espaço no centro da Terceira Roma.


  • -

conclusões da temporada 2017

No final de cada temporada nós costumamos fazer algumas conclusões quanto ao nosso trabalho e nosso mercado de serviços de guia em Moscou:

Questão da publicidade

A cada ano vemos mais ofertas de serviços de guias pela internet. Conhecemos colegas que pagam até 1000 euros ao Google para serem os primeiros a aparecer nos anúncios, e esses colegas também devem realizar muito trabalho de SEO, etc. Nós por princípio não pagamos ao Google. Nos achamos que estamos em cima disso. Não somos guias tipo Ford Focus ou Kia Rio, somos guias tipo Foguete Vostok.

Nossos clientes nos encontram:

  1. pelas recomendações de outros clientes
  2. pelos textos originais de nossos blogs e páginas (anos de trabalho extra)
  3. pelos comentários no TripAdvisor
  4. pelas páginas intermediadoras, que cobram uma comissão de 25-30%

Se vocês estão entre as pessoas que nos encontraram sem intermediários, estamos com muita sorte! Vocês já têm um desconto de 25-30%!

Lamentavelmente, todo ano registramos um importante aumento dos clientes que vêm através dos intermediários, e esses clientes têm que pagá-los 2530%! Se eu pagasse ao Google pela publicidade, seria a mesma coisa: teria que subir meus preços ou baixar o nível do serviço…

A questão dos valores e nível de serviço

Ser guiado é um privilégio (em poucos dias vocês recebem as informações que nós, guias, acumulamos diariamente durante dezenas de anos, lendo, ouvindo, estudando, procurando dados importantes, esboçando os roteiros de pura ação intelectual).

Uns colegas às vezes nos explicam que se pode trabalhar um pouco pior, em lugar de mostrar um filme completo, dar só um spoiler. Para nós é difícil, não queremos vender gato por lebre, não temos versões DEMO, não podemos trabalhar 25% pior, e como consequência disso não fazemos descontos (uma obra-prima não pode ser 25% pior, imediatamente tal produto se tornará fancaria).

A questão da concorrência crescente

A concorrência está subindo, porque vivemos em uma época transitória, em crise de superpopulação e em total precariedade trabalhista. É absolutamente normal que para alguém possa ser satisfatório o serviço de um estudante latino que só conhece as rotas turísticas básicas, têm impressões confusas depois de viver um ano na Rússia e não sabe nada da História russa salvo alguns fragmentos dos filmes propagandísticos do History Channel. Como já dissemos antes, há bastantes guias, que sabem baixar a qualidade de seu trabalho em função da avareza dos clientes ou da agência, que lhes consigue os clientes.

É muito importante identificar nosso público-alvo:

Nosso público-alvo é dividido em 3 grupos básicos

  1. O primeiro grupo são reis e aristocratas, presidentes e chefes de Estado, capitalistas do decil superior dos donos do mundo. Esses clientes do “dinheiro velho” com nossa ajuda procuram compreender como funciona o mundo, como superar a morte, como prevenir as ondas revolucionárias e conservar seu poder e seu capital.
  2. O segundo grupo são radicais e intelectuais revolucionários, senhores do crime organizado, os novos ricos, assim chamadas contra-elites, aspirantes por chefiar o mundo. Esses clientes do “dinheiro jovem” e agressivo com nossa ajuda procuram compreender como funciona o mundo, como superar a morte, como organizar e dominar as ondas revolucionárias e como conquistar o poder e aumentar seu capital.
  3. O terceiro grupo são intelectuais, investigadores, poetas, escritores, artistas, descobridores, profissionais jovens, desempregados, precarizados, canalhas da sociedade “sem dinheiro”, que também com nossa ajuda procuram compreender  como funciona o mundo, como sobreviver aqui sem perder o juízo.

Sem dúvidas, a experiência russa tem muitas respostas para estas inquietudes.

“Não foi Montaigne um turista? Não era Goethe? E Byron. E antes, Ibn Khaldun, Ibn Batutta, Ptolomeu, Herodoto: turistas”!

Conselhos para poupar nosso tempo:

Se vocês estão decididos  a atualizar seu quadro do mundo conosco, pedimos com muita gentileza que sejam concretos na formulação de sua solicitação. Não se esqueçam de informar,

Quantas pessoas são?

Em que hotel vão se hospedar (para traçar os roteiros mais apropriados)?

Quantos dias vão passar na Santa Terra da Rússia? Quantas horas por dia gostariam de dedicar aos passeios?

Quais seriam seus interesses?

E também é muito importante tomar decisões antecipadamente. Se lhes recomendei um show folclórico que considero que vale a pena, é melhor reservá-lo no mínimo um mês antes da vinda à Rússia, porque é praticamente impossível conseguir as entradas 2 dias antes do show. Claro que Moscou tem vários shows diferentes (no último ano tivemos 3), mas o melhor show sempre é o mais solicitado. O show folclórico é um exemplo, mas isso pode ser aplicado a qualquer coisa: seja um passeio de barco, seja, ainda mais, a visita ao Kremlin, o museu mais lotado de toda a Rússia. A ida ao Kremlin, o show folclórico e o passeio de barco se reservam com antecipação e não podem ser organizados em 23 dias!

Outras reflexões nossas baseadas em outras temporadas:

Política de valores: http://guiademoscu.com/?page_id=952

Consultório robotizado: http://guiademoscu.com/?p=731

Que vivan los guias privados: http://guiademoscu.blogspot.ru/2015/10/que-vivan-los-guias-privados.html


  • -

Pskov: MUST SEE (imperdível)

#Pskov

A post shared by Guía de Moscú (@guiademoscu) on

Pskov, história

Segundo uma das teorias de etnogênese, os povos novos sempre se formam nas fronteiras, pela causa da interação “amizade/guerra”. Assim foi o caso de Kiev (fronteira russa com Khazaria e Império Bizantino), Moscou (área russa no marco da Horda de Ouro), São Petersburgo (literalmente o frente da guerra da Rússia contra a Suécia) [1.]

Um dos centros de etnogênese russa foi também a área de Pskov (300 km de São Petersburgo para sudoeste, 800 km de Moscou para noroeste). Pskov fica a 2 passos da Estônia e a Lituânia atuais. Muito mais antiga que Moscou, até o século XVIII Pskov foi uma das maiores cidades da Europa. Pskov protegia a Rússia das agressões das tribos bálticas, das Ordens Teutónica e Livônia. No período da desintegração feudal Pskov balanceava entre Kiev e Novgorod até quando, no século XV, ficou subordinada a Moscou.

As cidades fronteiriças se diferenciam por sua dualidade: por um lado elas copiam algo de seus vizinhos, por outro lado desenvolvem seu próprio estilo para ser diferentes. Hoje, para algumas pessoas Pskov é uma das “janelas para Europa”, a terra russa “menos infectada” pelo bolchevismo-czarismo-hordismo. É importante saber que depois da catástrofe da aventura dos Romanov na I Guerra Mundial o governo soviético teve de ceder uma parte da região de Pskov ao estado marioneta da Inglaterra – à República da Estónia (a Rússia Soviética estava no caos da guerra civil, invadida pelos 14 estados estrangeiros). Destruída pelos Romanov, a Rússia se recuperou só depois da Vitória da URSS na 2GM. Assim, o povoado Izborsk, um dos símbolos da Rússia (fica a 30 km de Pskov!) em 1920-1940 foi integrado à Estônia. Durante a 2GM em Pskov, ocupada pelos nazistas, se acomodaram o “exército russo da libertação” do traidor Andrei Vlasov, a “Divisão Azul” dos franquistas espanhóis e outros colaboracionistas do fascismo pan europeu. É lógico que para os neonazistas russos o caso de Pskov é muito especial.

Um dos torcedores dessa onda, entrevistado por nós perto de Izborsk, com muito orgulho comentou que durante a guerra civil russa os representantes da tribo local seto, atacando aos russos-vermelhos, não  gritavam “HURRA” como os “untermensch” russos (“hurra” é uma palavra turca, herdada da Horda de Ouro). Os setos, sendo “super homens”, durante seus ataques costumavam simular as vozes de porcos, cachorros, galos, etc. É curioso notar como o anti sovietismo leva ao arcaísmo total… [2.]

#izborsk

A post shared by Guía de Moscú (@guiademoscu) on

Pskov, arquitetura

Achamos que Pskov tem o segundo posto depois de Moscou pelos seus recursos turísticos… Pelo menos Pskov e seus povoados satélites Izborsk e Pechory estão na mesma altura que São Petersburgo ou Anel de Ouro de Moscou. http://guiademoscu.com/?page_id=670

A arquitetura de Pskov é caracterizada pelo jogo cubista de volumes, por certo primitivismo, não é semelhante com nada. As muralhas das fortalezas aqui não são alinhadas, nem modeladas em estuque, assim as pedras calcárias ficam como uma massa folhada. Na arquitetura de Pskov se inspiraram os gênios tão influentes como Shchusev e Le Corbusier. Alguns expertos até creem, que os autores da Catedral de São Basílio de Moscou (a obra chave da arquitetura russa) fossem da origem de Pskov.

Lamentavelmente Pskov (igualmente a toda a Rússia) está abandonada desde a queda da URSS, a cidade não tem planejamento sério, tem muitos prédios queimados ou abandonados no centro, sem falar dos prédios novos e feios da época de Yeltsin/Putin, que estragam os panoramas geniais de Pskov. Pskov não tem boas rodovias. Ao mesmo tempo há de reconhecer que a parte histórica em geral não está descuidada e as obras da restauração receberam certo financiamento no período da bonança petroleira dos anos 2000.

Una iglesia de #Pskov que inspiró a #lecorbusier a diseñar su #chapelle

A post shared by Guía de Moscú (@guiademoscu) on

Pskov, rodovia de Moscou

A rodovia é de pista simples, as vezes é difícil ultrapassar um caminhão, por isso a rodovia está “decorada” com muitas tumbas de ambas as beiras (de vítimas de accidentes). Ao mesmo tempo a qualidade da rodovia é bastante alta, se pode conduzir tranquilo a 110 km/hora durante a chuva. A rodovia tem muitos outdoors memoriais, que informam sobre o movimento do frente russo durante a 2GM, sobre as vítimas dos castigadores nazistas, sobre as pérdidas faraónicas dos russos nas batalhas de Rzhev, sobre as fossas comuns, etc. Mas a julgar pelas fazendas soviéticas abandonadas em massa (muitos prédios de concreto armado em abandono!), se pode pensar, que a guerra acabou de finalizar ontem (para muitos russos o dano das “reformas” de Yeltsin/Putin é equiparável com o dano da 2GM). As cegonhas estão em todas partes… Uma até construiu seu ninho em cima dum obelisco perto de Rzhev. As aves tamanhas sobrevoavam a gente como os pterodáctilos. A natureza é fantástica e rica, cada 100 metros da rodovia vendem peles, gordura de urso, castóreo, vodkas com sabores, etc.

#Pskov

A post shared by Guía de Moscú (@guiademoscu) on

Pskov, a vida alternativa

Como a região de Pskov fica perto de São Petersburgo, lá se organizam os festivais musicais, de cultura étnica, recreações históricas, etc. Há várias comunidades de jovens, que escapam da civilização pós-soviética mediante a vida rural: uns se dedicam à cervejaria, outros montam as fábricas de queijo, visando para o mercado de produtos artesanais kraft, que tem em São Petersburgo. Os joven recuperam as técnicas perdidas de tecido, de construção de lareiras, etc. A ideia é viver sem estado (a isso se reduz a ideologia de putinismo: as matérias primas são só para as elites, o povo tem que aprender a viver sem estado). Mas não é fácil viver na terra, o estado não os deixa em paz. O custo da terra está crescendo (embora que a maior parte da terra esteja abandonada), os impostos sobre a terra também sobem. A medicina estatal degradou até o nível da Idade Média, mas a medicina privada (muito cara) não é melhor. Os “escapistas” precisam de gasolina para levar as crianças à escola do povoado mais próximo. Depois da escola primária a dor de cabeça dos pais aumenta: há de se pensar sobre a educação séria, que é impossível na província… Claro que a vida no campo é muito atrativa, já que é uma tradição da nobreza russa… Mas antigamente os nobres russos tinham escravos, Liev Tolstoi, vivendo em sua Yasnaya Polyana, foi o escritor №1 no planeta e ganhava bastante com seus direitos autorais… As fontes de renda dos “escapistas” de hoje são seus apartamentos em Moscou ou em São Petersburgo, que eles arrendam para os “não moscovitas”. Além disso, eles têm seus pequenos negócios elitistas orientados ao mercado das cidades grandes como São Petersburgo ou Moscou.

A região de Pskov é um ótimo lugar para uma vida alternativa, há muitos locais remotos, e São Petersburgo não é tão agressiva destruindo suas periferias como Moscou. Há pessoas aqui que participam nos programas da reeducação dos jovens criminosos da EU [3.]. Segundo a imprensa russa, esses jovens europeus reeducados nas aldeias da Sibéria ou em outros lugares da Santa Rússia, viram aqui as pessoas normais porque na Europa eles sofrem maus tratos e na Rússia lhes tratamos muito bem. Não é tão simples… Segundo um de nossos informantes um dos tais delinquentes europeus (um turco alemão), localizado na fazenda de um conhecido, durante a festa de Ivan Kupala saiu da sauna com uma suastika pintada em seu frente com carvão e começou a esticar o braço direito, gritando Sieg Heil… O louco roubou 5000 rublos (80 euros) de seu anfitrião e fugiu em um táxi para o aeroporto Pulkovo de São Petersburgo, foi um comportamento típico para os delinquentes russos também, mas isso não dá certo, claro… O caminho para o centro do mundo (que hoje é o Ocidente) nunca foi fácil.

Leia mais:

1. http://guiademoscou.blogspot.ru/2013/12/sobre-o-codigo-cultural-dos-russos.html

2. Numa comunidade alternativa de Izborsk nos encontramos com um neonazista bielorrusso, que nos contou uma história anti soviética, bastante sofisticada, mas típica (o neonazista foi absolutamente “open minded”: cabelo largo, cara tatuada, piercing abundante). Segundo o neonazista durante a crise dos anos 1920 o governo de Lenin quis ganhar o dinheiro produzindo vodka. Mas no país destruído pela guerra civil não havia trigo de centeio. A consulta dos cientistas lhe ofereceu a Lenin produzir a vodka …da merda. Para o neonazista bielorrusso isso é um fato histórico, ele “viu” os “documentos” “com seus próprios olhos”, blablabla… Os operários depois de descobrir o plano de Lenin, se rebelaram… Graças a Deus, essa história em seguida foi desmistificada por um produtor de cerveja, que explicou para o neonazista ridículo que seria impossível produzir a vodka da merda, porque a merda não tem açúcar. Deveria ser uma merda de um diabético! O neonazista resistiu: disse que ele mesmo bebeu muita vodka da merda, que na Bielorússia atual é bastante comum, mas isso já foi outra história…

3. http://www.elcorreo.com/vizcaya/20080118/mundo/reeducacion-siberia-20080118.html


  • -

O que levar de presente do Brasil para a Rússia?

– Uma garrafa de cachaça é um ótimo presente. A cachaça é semelhante à vodka caseira russa, conhecida como “samogon” e os russos vão gostar!

– Camiseta da Feb (Força Expedicionária) – os russos quase não sabem nada da participação brasileira na 2GM e eles vão gostar muito da história de como “a cobra fumou”. Aseguramos, que Camiseta da Feb vai ser muito mais original que uma camiseta da seleção brasileira!

– Café? É um presente universal, mas na Rússia se vende bastante café brasileiro, embora este café provavelmente seja falso. Por isto há de presentear com um café 100% autêntico. Erva mate? Pode ser, mas na Rússia ela é mais associada com a Argentina graças aos livros de Julio Cortázar. Não tem associação com o Brasil. Mas como os russos são campeões no consumo de chá, sem dúvida eles vão gostar da erva mate.

– Um disco da Bossa Nova? – legal! Mas o tema, igual ao café, é bastante famoso na Rússia. Não seria melhor levar um disco de Luiz Gonzaga? Os russos são super musicais, sem dúvidas eles vão ficar loucos pelos sucessos como “Pagode Russo” ou “A Vida de Viajante”! O acordeão é muito significativo para os russos. E o chapéu cangaceiro?! É um presente genial para acompanhar um disco de Luiz Gonzaga!

– Calça branca para homem. Melhor que seja do Rio de Janeiro! Parece estranho? Vou explicar. Pelo romance satírico russo “As 12 cadeiras” a calça branca do Rio de Janeiro virou para os russos um símbolo de êxito [1.]. O herói do romance é um aventureiro que considera a Rússia Soviética um país dos inocentes e sonha com enganar o “sistema”, ganhar um milhão e correr para o Brasil, para o Rio de Janeiro, que segundo ele é uma cidade chique, uma cidade de milionários, onde cada homem usa calça branca e nas ruas se dança o charleston intitulado “Minha menina tem uma coisa pequenina”. “Rio de Janeiro – o sonho de cristal da minha infância… 1,5 milhão de pessoas e todas estas pessoas usam as calças brancas”. O Rio de Janeiro de “As 12 cadeiras” é um satírico mito antagonístico à realidade soviética da pós-guerra civil dos anos 1920. O romance “As 12 cadeiras” tornou um dos livros mais lidos na língua russa. Muitas frases do romance hoje são provérbios e memes populares. Calça branca do Rio de Janeiro é um desses memes. Na URSS foram feitos vários filmes baseado neste romance, que também são atualmente uma clássica de ouro do cinema russo.

Claro que nossa lista breve trata-se só dos presentes geniais, mas qualquer presente, até o mais banal possível [2.], sempre é um presente e os russos lhe vão agradecer de todo coração.

  1. https://novaziodaonda.wordpress.com/2009/06/15/as-doze-cadeiras/
  2. Uma lista dos presentes mais banais do Brasil:  http://gazetarussa.com.br/blogs/2013/10/24/melhores_presentes_do_brasil_para_dar_a_um_russo_22447

Leia também: “Dicas para visitar os russos”

 


  • -

Dicas para visitar os russos

Category : Uncategorized

4536a2a3f30718059b1b5efad9bde3c1Nós russos gostamos muito de receber visitas. Receber pessoas de países distantes como o Brasil sem dúvida é um prazer e uma grande honra: pelo BRICS, por Jorge Amado e pelo Rio de Janeiro que temos como um mito. Como nossas culturas são um pouco diferentes (embora que o Brasil seja uma Rússia tropical), gostaríamos de dar umas dicas de visitas.

1) você tem que trazer um presente simbólico (um brinquedo para criança, flores para a dona da casa, algo para a mesa). É uma prática de reciprocidade: como se você trocasse seu presente pela moradia e atenção… Parece culto de potlatch, mas é porque nós russos somos um pouco indígenas)

2) no século XX a Rússia era um país muito democrático e bastante igualitário no ambiente material, por isso a maioria de nós não tem a prática de contrato de empregados domésticos. Os homens, mulheres, crianças, convidados compartilham os trabalhos de casa. E você, pelo menos, tem que oferecer sua ajuda para lavar os pratos.

Garanto que os russos vão dizer: “Não, não precisa, obrigado! Você é nosso convidado de honra! Tranqüilo”! Mas os anfitriões vão lhe respeitar muito mais só por oferecer sua ajuda.

3) Outra dica é economizar espaço. Os apartamentos na Rússia são pequenos em comparação com as casas de América (pelo fator climático), por isso é melhor organizar suas malas e suas coisas para que a família de seus anfitriões possa continuar sua vida normal.

4) Nós russos somos pontuais. Aliás, consideramos nosso tempo um recurso super importante, pois a expectativa de vida na Rússia é baixa. Se vocês dizem a seus amigos russos que vão voltar a casa às 22.00, mas de fato chegam à 01.00, isto significa a perda de 2-3 horas de sono para seus anfitriões.

5) Se vocês moram em casa de russos mais de 2 dias, é obrigatorio sempre trazer algo para a mesa (algo real e não simbólico), e claro que vocês tem que limpar a banheira depois de usa-la.

P.S.

Se vocês não seguirem estas dicas, não há crise nem problema, mas é melhor respeita-las.

Desrespeito à regra №5 é considerado como um abuso de hospitalidade.