Os 7 fatos sobre o fuzilamento da família dos Romanov

  • -

Os 7 fatos sobre o fuzilamento da família dos Romanov

Celebrando o centenário da Grande Revolução Socialista de Outubro de 1917 a imprensa oficial da Rússia inculca a ideia da causalidade da revolução russa (1905-1917), que foi “uma consequência bizarra da “sobreprosperidade” do Império dos Romanov e da confabulação de Grã-Bretanha/judeus/reptilianos”, etc. [1.] A “bonança” dos Romanov foi destruída pelos “bolcheviques satânicos” que “desviaram” a Rússia do “caminho natural” para 70 anos do “pesadelo do Stalin/GULAG/KGB”. Um dos elementos mais importantes da mitologia anti soviética é a história do fuzilamento da família de Nikolai Romanov (outrora czar da Rússia).

1. A dinastia dos Romanov começou com o assassinato de uma criança inocente

Os Romanov mataram um menino de 3 anos por “atividades criminosas”

É importante lembrar que a dinastia dos Romanov começou com o assassinato de uma criança inocente – Ivão, filho do Dmitri, o Falso II. Essa criança foi um dos candidatos para o trono da Rússia ao início do século XVII durante “o tempo escuro” [2.]. Certas regiões da Rússia não aceitaram a eleição (pouco democrata) dos Romanov e apoiaram Ivão, filho do Dmitri (a gente ainda não sabia que esse Dmitri foi o “falso II”: se seu partido ganhasse, ele seria verdadeiro). O partido dos Romanov ganhou, e Ivão, filho do Dmitri, o Falso II foi enforcado “por suas atividades criminosas”. O “criminoso” Ivã tinha apenas 3 anos. A corda dos Romanov não asfixiou seu pescoço suficientemente e ele morreu umas horas depois do enforcamento pela causa do frio de inverno. Assim os Romanov começaram seu governo de 300 anos [3.].

2. O governo dos últimos Romanov foi uma catástrofe para a Rússia

Nikolai II gostava de brincar com seu elefante e caçar corvos

O governo dos últimos Romanov foi uma catástrofe para a Rússia. O grande Liev Tolstoi (excomungado pela Igreja Estatal dos Romanov) escreveu, que a subalimentação de camponeses era permanente e a fome começava na Rússia não quando não havia boas colheitas de trigo, senão quando não havia boas colheitas de Atriplex (uma erva daninha que os camponeses costumavam misturar com o trigo, porque nunca comiam o pão de trigo puro). Os escritórios de recrutamento durante a Primeira Guerra Mundial registravam a desaceleração dos camponeses: se reduzia o volume dos pulmões, a altura, o peso, etc. A exportação de trigo dos últimos Romanov foi “faminta”: “Subalimentamos o povo, mas vamos exportar o trigo a qualquer custo!”.  Sem dúvidas, os camponeses consideravam os latifundiários “parásitas”. Durante a revolução de 1905, os camponeses queimaram cerca de 50% das casas de donos da terras na parte central da Rússia. A parte central viraria a base do bolchevismo. A Rússia de Nikolai II perdeu a guerra contra o Japão e sua atividade na Primeira Guerra Mundial foi pagar com a buxa de canhão seus dívidas ante os bancos da Inglaterra e da França (a produção dos armamentos na Rússia foi muito inferior que em outros países participantes da IGM, não é de surpreender que o Exército Russo tivesse um record de deserção).

3. Os bolcheviques não tem nada a ver com a abdicação do czar Nikolai II

Nikolai II chegou a estação “Submundo”

Os bolcheviques não tem nada a ver com a abdicação do czar Nikolai II. Nikolai II abdicou ao trono em março de 1917, no resultado da Revolução de Fevereiro de 1917. A Revolução de Fevereiro foi burguesa, realizada sob pressão do capital estrangeiro (o czar no caso de sua “iluminação” poderia se retirar da I Guerra Mundial, além disso sendo um autocrata ele não podia garantir a inviolabilidade dos investimentos do capital estrangeiro). A pressão dos liberais sobre o czar também foi alta: eles não gostavam do costume do czar de dissolver o parlamento russo (um parlamento fantoche). Os latifundiários odiavam o czar pelo monopólio sobre a produção de álcool (quando os preços de trigo caiam no mercado externo, o czar costumava produzir desse trigo a vodka e vender para a plebe essa droga para ganhar o dinheiro no mercado interno, hoje do mesmo jeito na Rússia crescem os preços da gasolina no mercado interno, quando o petróleo cai no mercado externo). Os generais e oficiais odiavam o czar pela humilhação do Exército, destruído pela política econômica dos governos tanto liberais como populistas de Nikolai II. Sendo boa pessoa,  Nikolai II por sua incapacidade governamental ficou o czar mais odiado na história da Rússia. A abdicação de Nikolai II foi aplaudida pelos latifundiários, militares, liberais, Igreja Ortodoxa Russa (sic!) e pela imprensa ocidental. Nikolai II, comandante em chefe abdicou do trono arrestado por seus próprios generais, quando seu vagão foi parado na estação “Dno” (em russo: fundo, submundo, o título do livro de M.Gorki “No fundo” é traduzido para português como “Ralé”, “Submundo”).

4. O rei inglês recusou a solicitação de asilo político de seu primo Nikolai Romanov

Nikolai II e Jorge V

Apresado pelo governo provisório da Revolução de Fevereiro, Nikolai II queria se refugiar na Inglaterra. Jorge V do Reino Unido foi primo do Nikolai Romanov (fisicamente são quase gemelos), mas o rei inglês recusou a solicitação de asilo político de seu primo Nikolai Romanov – o governo britânico não queria estragar as relações com o governo provisório russo, dirigido pelo maçom anglófilo Alexander Kerensky.

5. Os bolcheviques não têm nada a ver com o fuzilamento do cidadão Nikolai Romanov

O governo provisório de Kerensky não foi legítimo, não representava os povos da Rússia, que encontraram outra forma de sua representação – os “sovietes” (conselhos legislativos), coroados por Soviet de Petrogrado. Baseado no apoio do Soviet de Petrogrado mesmo o grupo de Vladimir Lenin em Outubro de 1917 deu um golpe contra o governo provisório do capital estrangeiro. É importante entender que no Soviet de Petrogrado os bolcheviques (partido de Lenin) compartilharam a maioria com outros grupos de radicais: o Partido Socialista Revolucionário da esquerda, os mencheviques e os anarquistas. Como os primeiros decretos do Poder Soviético foram os decretos de Paz (retirada da Primeira Guerra Mundial), expropriação da terra e cancelação da dívida ilegítima do czar e do governo provisório, bastante rápido começou a guerra civil russa: a grosso modo, entre os povos da Rússia e os exércitos privados dos latifundiários, apoiados pelo Ocidente. A guerra civil na Rússia foi acompanhada pela agressão militar dos 14 estados do Ocidente (imaginem só que a Rússia se tornou tão fraca e caótica que os países como Finlândia e Polônia ocuparam vastas regiões do gigante nortenho!). Além da guerra civil o grupo dos radicais que subiram ao poder, tinham muitos conflitos internos. Muitos Sovietes nas regiões foram controlados não pelos bolcheviques, mas pelos Socialistas Revolucionários da esquerda (o partido mais radical da Rússia, responsável por muitos atentados contra os czares, seus ministros e governadores) e por outros radicais incontroláveis. A decisão do fuzilamento de Nikolai Romanov e sua família foi tomada pelo Soviet de Urales, dominado pelos Socialistas Revolucionários da esquerda. O fuzilamento de Nikolai Romanov acompanhou a rebelião desse partido contra os bolcheviques em Julho de 1918 (a rebelião infectou várias cidades do Norte do rio Volga, os rebeldes contavam com a intervenção militar dos ingleses, estadunidenses y franceses pelo Mar Branco, os rebeldes tomaram vários prédios em Moscou e prenderam o chefe da Polícia Secreta dos bolcheviques – Dzerzhinsky. Antes de tudo eles mataram o embaixador da Alemanha! – tudo isso para revisar as condições de Paz, assinada pelo grupo de Lenin). Os bolcheviques não têm nada a ver com o fuzilamento do cidadão Nikolai Romanov e sua família. Para o governo de Vladimir Lenin, os Romanov foram um argumento importante para as negociações com o Ocidente e claro que os bolcheviques gostariam de julgar Nikolai Romanov publicamente por seus crimes incontáveis contra os povos da Rússia. Seu fuzilamento foi uma manifestação anti bolchevique dos radicais Socialistas Revolucionários da esquerda, resultado do caos da guerra civil. Não há nenhuma prova da decisão pessoal de Lenin ou de outros chefes do Partido Bolchevique sobre tal fuzilamento.

6. Fuzilamento do outrora czar mais odiado não deram impacto nenhum na Rússia

Se os Romanov foram fuzilados, de onde provêm todos os freaks que hoje se acham os Romanov? Simplesmente os radicais que odiavam os Romanov não conseguiram matar todos os Romanov. Os bolcheviques (que nos primeiros anos não controlaram nem seu próprio partido completamente) simplesmente deixaram a maioria dos Romanov ir embora do país. Nem fuga dos reis, nem fuzilamento do outrora czar mais odiado não deram impacto nenhum na Rússia, havia coisas mais emocionantes: a crise econômica e o desastre da guerra civil, produzidos pela política terrível de Nikolai II.

7. Os mais inteligentes dos Romanov reconheceram a verdade histórica dos bolcheviques. 

Alexandr Mijáilovich, neto do czar Nicolai I e tio do czar Nicolai II (também foi marido da irmã de Nicolai II), chefe da Direção da Frota Comercial do Império Russo escreveu: “Ocorreu-me que embora eu não fosse um bolchevique, eu não podia concordar com meus parentes e conhecidos e de forma imprudente condenar tudo o que os Soviets fazem, só porque isso é feito pelos Soviets. Sem dúvidas eles mataram três dos meus irmãos [para Alexandr Mijáilovich todos os radicais são bolcheviques], mas eles também salvaram a Rússia do destino de um vassalo dos aliados. O tempo, quando eu os odiava e tinha muitas ganas de chegar até Lenin ou Trotskiï, passou, porque eu comecei obter as notícias sobre um e depois sobre outro passo construtivo do governo de Moscou e encontrei-me com o fato de que eu sussurrava: “Bravo!” [4.].

Leia mais:

1. http://guiademoscou.blogspot.ru/2016/01/por-que-putin-tem-medo-de-lenin.html

2. https://pt.wikipedia.org/wiki/Tempo_de_Dificuldades

3. http://guiademoscu.blogspot.ru/2013/12/los-romanov-mi-historia.html

4. http://guiademoscou.blogspot.ru/2014/05/os-ultimos-romanov-seriam-bolcheviques.html

Bibliografia:

Elena Prúdnikova

Serguei Kara-Murzá

Serguei Nefiódov

Boris Yúlin

 


  • -

Obsessão pelas ordens, medalhas e carros de luxo

A obsessão pela falerística é um dos indicadores da degradação das elites. É eloquente a comparação da elite soviética dos anos 1930 (o período heróico da URSS) com a elite da Segunda República Polonesa.

General Tadeusz Komorowski não ganhou nenhuma batalha, mas teve umas 10 condecorações máximas da Polônia.

Edward Rydz-Śmigły

Mariscal Edward Rydz-Śmigły a única coisa que fez como militar foi correr do Exército Vermelho (que foi uma operação muito importante: Edward Rydz-Śmigły salvou seu exército), como consequência de uma só operação exitosa, esse mariscal foi o cavaleiro das dezenas das ordens polacas e das dezenas das estrangeiras.

General Gustav Orlich-Drescher foi uma piada de Deus (responsável pelas “colônias ultramarinas” da Polônia), mas também gostava muito das ordens e medalhas.

Mariscal Józef Piłsudski, o ditador da Segunda República Polonesa, o “avô” da nação polaca, não tinha complexo de inferioridade:

“Há coisas que vocês, polacos, não são capazes de compreender!.. Quanto eu poderia fazer, se governasse um outro povo”.

Jean-Bédel Bokassa

A elite polaca dos anos 1930 chegou ao nível do ditador do “Império” Centroafricano – Jean-Bédel Bokassa.

Que contraste com a elite soviética! O mariscal Semyon Timoshenko, o general Konstantin Rokossovsky (o comandante militar da origem polaca, mais famoso da história), o próprio generalissimus Stalin…

Mas ninguém é imune à degradação: a mesma elite soviética nos anos 1970 já “se polonizou” bastante, basta com olhar para as fotos de Leonid Brezhnev.

Segundo os elitólogos a Polônia é o caso clássico de um país limítrofe, um país que perdeu sua soberania, então a elite polaca virou uma simples ferramenta de controle sobre a plebe nos interesses dos países patrões. Assim as elites perdem a conexão com seus povos e se tornam ridículas.

Konstantin Rokossovsky

A Rússia também tem tendências da “limitrofização”: as elites russas da época do ditador Boris Yéltsin e de seu sucessor Vladímir Putin dão vergonha por seu infantilismo quase do nível “saudita”… Moscou está cheia de carros de luxo, quando o nível de desigualdade na Rússia é terceiro-mundista.

Tal “apartheid” das elites russas foi típico no período do Império dos Romanov,  resultado da infusão do modelo polaco no século XVII (quando a Polônia esteve pronta de conquistar a Rússia, mas no lugar da conquista deu para a Rússia seu modelo da administração: “as elites ocidentalizadas vs o povo escravizado”).

Leia mais:

As elites russas da época de Yéltisn-Pútin:

http://guiademoscou.blogspot.ru/2016/01/sobre-os-gemeos-catedral-de-cristo.html

O modelo da administração dos Romanov:

http://guiademoscu.blogspot.ru/2013/12/los-romanov-mi-historia.html

http://guiademoscou.blogspot.ru/2015/12/imperio-de-cabeca-para-baixo.html


  • -

o êxito do Ocidente e o fracasso do resto do mundo

O livro de Robert C. Allen “Global economic history: a very short introduction” (2011) é recomendado para todos nossos clientes.

O autor estadounidense analisa o êxito do Ocidente e o fracasso do resto do mundo (em particular são interessantes para nós os trajetos semelhantes da América Latina e Rússia).

Contudo Robert C. Allen não é adepto à teoria obsoleta de Max Weber (igual ao protestantismo, o catolicismo prospera nas “áreas de bem-estar”). Também ele não é membro da seita do institucionalismo econômico (a Inglaterra parlamentar teve muito menos liberdades que a França absolutista, e por isso seu “segredo” não foram as “instituições” nem os “valores liberais”).

Como regra ganham os países cujos estados conseguem concentrar o capital para descobrir, conquistar, manter e modernizar. É muito importante a conclusão de Allen que o fenômeno da modernização é motivado por altos salários e por certa igualdade (como mínimo no acesso à educação). Os países de salários baixos e da desigualdade social estão condenados a atraso, arcaização e culto de Ayn Rand.

“Bare-bones subsistence has further implications for social wellbeing and economic progress. First, people living on the bare-bones diet are short. The average height of Italians who enlisted in the Habsburg army fell from 167 cm to 162 cm as their diet shifted from bread to polenta. In contrast, English soldiers in the 18th century averaged 172 cm due to their better nutrition. (Today, the average man is 176–8 cm tall in the USA, UK, and Italy, while the Dutch are 184 cm tall.) When people’s heights are stunted for lack of food, their life expectation is also cut, and their health in general declines. Second, people living at subsistence are less well educated. Sir Frederick Eden, who surveyed labourers’ incomes and spending patterns in England in the 1790s, described a London gardener who spent 6 pence per week sending two of his children to school. The family bought wheat bread, meat, beer, sugar, and tea, and his earnings (£37.75 per year) were about four times subsistence (just under £10). If their income were suddenly cut to subsistence, vast economies would have had to be made, and who can doubt that the children would have been removed from school? High wages contributed to economic growth by sustaining good health and supporting widespread education. Finally, and most paradoxically, bare-bones subsistence removes the economic motivation for a country to develop economically. The need for more output from a day’s work is great, but labour is so cheap that businesses have no incentive to invent or adopt machinery to raise productivity. Bare-bones subsistence is a poverty trap. The Industrial Revolution was the result of high wages – and not just their cause”.

Ao mesmo tempo o autor é um membro do establishment acadêmico e por isso sua lógica às vezes falha. Ao contrário de Giovanni Arrighi Robert C. Allen não explica porque a hegemonia mundial passa da Venesia para Amsterdã, de Amsterdã para Londres e de Londres para Nova Iorque. Suas conclusões nem sempre são convincentes ou completas. Por exemplo, Robert C. Allen determina o modelo estándar de desenvolvimento que é uma suma de 1) criação da infraestrutura, 2) tarifas protecionistas, 3) banca nacional, 4) educação. Mas não está claro, por quê o modelo estándar não funcionou na Rússia dos Romanov, nos países latinos ou no Japão. O autor ignora o fato da dependência bancária destes países.

Sua explicação do colapso da URSS também é muito fraca. Mas é normal, é uma explicação entre centenas de elas (como também existem mais de 230 explicações do colapso da Roma Antiga).

Apesar de tudo isso o livro é interessante e até pode ser inspirador, porque não é tão banal como a maioria dos textos econômicos, patrocinados pelas seitas de Weber, Friedman e Hayek.

Leia nossas outras resenhas dos livros sobre a Rússia: 

Alexander Etkind “Colonização Interna”

 Vladimir Paperniy “Cultura Dois”

Alexandr Prójorov “Modelo russo da gerência”

Serguei Nefiódov e seu Análise Fatorial da História da Rússia


  • -

Ovo de aço, ovo de guerra

“Ovo de aço, ovo de guerra” é um dos 52 ovos da joalheria “Fabergé” produzidos para a família dos imperadores da Rússia Romanov.

Cliente – Imperador Nikolai II, o Sanguinário

Primeira Proprietária – mulher de Nikolai II, Alexandra Fiódorovna, originalmente a princesa alemã Victoria Alix Helena Louise Beatrice von Hessen und bei Rhein

O ovo tem uma brincadeira dentro: um cavalete com uma miniatura de aquarela. A miniatura apresenta o czar Nikolai II com seu filho numa das posições do Exército Russo.

1916 foi o terceiro ano da Primeira Guerra Mundial. Ao final de um ano, em 1917, a Rússia foi sacudida primeiro pela Revolução de Fevereiro, quando os generais mais próximos ao czar fizeram Nikolai II abdicar do trono, e segundo pela Revolução de Outubro (que foi um golpe dos radicais de esquerda contra o governo provisório do capital estrangeiro, o czar Nikolai II já não estava no jogo, ele abdicou do trono em Fevereiro de 1917).

O interessante é que no ano 1916 segundo historiadores foi o ano que a joalheria “Fabergé” recebeu o recorde de ordens dos ricos russos. Em que pesem o recorde de deserções da guerra sem êxito, a fome no campo e nas cidades, as greves em massa e a deslegitimação da coroa.