Search Results for:


COVID-19, “una gracia de Dios”

Como es sabido, la OMS recomienda: 1) testar y 2) aislar a los enfermos.

Tests de COVID-19

1) Rusia heredó de la URSS uno de los mejores sistemas de la seguridad biológica. Así que la producción de los tests del COVID-19 es satisfactoria. La Agencia Federal de Salud y Consumo trabaja bien en este aspecto. Gracias a las potencias y competencias de un instituto siberiano de la herencia soviética (Vektor) ya en enero Rusia comenzó a producir los tests. Y Rusia comparte sus tests con decenas de países. Ahora aparecieron otros actores en el mercado de los tests: privados, ruso-japoneses, etc. Pero la parte fundamental es del estado. Pueden comparar:

1,63 millones de tests en Rusia (145 millones de la población) – 1%

3,25 millones de tests en los EE.UU (328 millones) – 0,9%

0,52 millones de tests en Corea del Sur (51 millones) – 1%*, pero aqui testaron super rápido y además mostraban los focos de infección online, avisando a la población.

1,7 millones de tests en Alemania (83 millones) – 2%

También se usa bastante en Rusia la TC (Tomografia Computarizada, solo para confirmar la pulmonia, como un sintoma clave). 

Cuanto más tests hacemos, menos peligroso se ve el COVID-19. En la provincia de Moscú ya son 50% de los casos confirmados, que no tuvieron síntomas (a muchos los hospitalizan por la pulmonia terrible, mostrada con TC, pero sus tests de COVID-19 son negativos, así que la estadística hasta ahora provoca muchas dudas!). Pero poco a poco estamos llegando a 80%, pronosticados por la OMS, que no tienen síntomas. Y si hicieramos los tests masivos de anti cuerpos, que mostrarían que ya pasamos por la epidemia en otoño de 2019?

Tests del grupo gobernante

2) Lamentablemente respecto al aislamiento vemos un caos y trastrueques cotidiano. Una consecuencia de la degradación moral de la sociedad rusa, del desorden económico y del “double thinking” político.

Es sorprendente que la base material rusa todavía esté muy bien preparada: Rusia está mejor equipada que Europa y los EE.UU. con los ventiladores de pulmones. Moscú despliega una red de las TC ambulatorias. Una de las explicaciones es que se puede robar mucho con la compra de los equipos caros, por eso a pesar de la reducción del personal médico, hubo inversiones en la modernización del equipamiento.

El número de los médicos, de las clínicas y de los hospitales fue “optimizado” (con mucho orgullo y con charlatanería justo en vísperas de la pandemia!), pero Rusia todavía tiene “bastantes” médicos y hospitales por 10 mil personas (un poco menos que Alemania, pero mucho más que los EE.UU.)

https://www.who.int/data/gho/data/indicators/indicator-details/GHO/medical-doctors-(per-10-000-population)

https://data.worldbank.org/indicator/sh.med.beds.zs?end=2015&start=1960&view=map&year=2013

O sea Rusia tiene el “hard” para neutralizar el virus (tests, médicos, hospitales, equipamiento, inteligencia digital (potencias de Yandex, satélites de GLONASS)...

El problema es nuestro “soft”.

La confianza de los rusos en sus hospitales y médicos es relativamente baja: 

https://www.statista.com/statistics/1071631/trust-levels-towards-hospitals-clinics-in-select-countries/

Y con razón!

Una gran tragedia es que según la Agencia de Salud y Consumo un 55% de los focos de COVID-19 en Rusia han sido los establecimientos médicos! Eso no encaja en la cabeza.

Falta de conciencia de los médicos, de las comunicaciones críticas: médicos lineales – ministério regional – ministerio federal, una gran falta de la protección de los médicos, falta de los protocolos de recepción, falta de las salas preparadas adecuadamente, etc. Suena absurdo… Es como correr de un bombardeo a un refugio antiaéreo para pisar una mina terrestre allí.

Además se formaron las filas de las ambulancias en los hospitales de Moscú, porque no había personal administrativo para registrar a los enfermos.

Todo eso es un gran fallo del Ministerio de Salud y del grupo gobernante, que estuvo optimizando (destruyendo) la medicina soviética todos los 20 años de su “mandato”.

Las medidas de autoaislamiento y salvoconductos en Moscú también fueron ejercidas a la buena de Dios: por la sobrepoblación faraónica de la capital y por la intransparencia de su economía. El rastreo de los infectados y la cartografia de los focos no se hacían.

La economía extractivista de Rusia grosso modo columpia entre la venta del petróleo al extranjero por un lado, y las importaciones masivas + la construcción de viviendas en Moscú por otro lado (de estadios para la Copa también, de lo que sea, pero construir, construir, construir).

En torno de las obras de construcción aparecen todos los demás empleos: profesores, médicos, hipsters-barberos, alco-mercados, todo el sector de servicios…

Además las construcciones moscovitas absorben a millones de los inmigrantes de las ex repúblicas soviéticas, cuyo paro puede provocar una explosión del crimen en Moscú y una oleada de las revoluciones en Asia Central. Por eso Moscú nunca ha sido parado en serio.

No importa que las decisiones de la alcaldía de Moscú han sido inconsecuentes o incompatibles. Lo importante es que cualquier desición sería poco factible por la política de 20 años de la concentración de la gente en Moscú: 30 millones de personas, a juzgar por los usuarios de la telefonía móvil y por la producción de las aguas negras, 2 veces más de los datos oficiales. A pesar del autoaislamiento bastante cumplido, las carreteras igual fueron llenas de carros (el trafico bajó, pero solo 3 veces). Cuando al cabo de 2 semanas de la cuarentena introdujeron los permisos para salir, su control inadecuado provocó un tráfico en el metro y sólo agravó la situación.

Resumiendo:

Un 55% de los focos de la epidemia en Rusia han sido los establecimientos médicos. Es un diagnóstico a la política de la “optimización” de la Salud. Es lógico esperar la investigación de los funcionarios responsables.

La cuarentena de Moscú provocó un choque económico, mientras su efecto anti epidémico es cuestionable debido a la específica de sobrepoblación y la falta de control (no hay ni ética alemana, ni un estatismo hasta los huesos como en China). Es lógico esperar la renuncia y el arresto del alcalde de Moscú.

La ayuda del gobierno a la gente parada por la pandemia ha sido mucho más pobre que en otros países de Europa. El gran sector informal no puede contar con ayuda ninguna, es el principal desafío para el gobierno: un 40% de la población de la edad laboral está precarizada por trabajar en la sombra. Sería lógico esperar por lo menos la aclarización de tal situación.

Fuentes del optimismo:

Igual que durante la Primavera Rusa de 2014 tanto los opositores, como el oficialismo han movilizado un movimiento de voluntariado para ayudar a los médicos, recolectando el dinero para comprar o producir la protección, la comida, etc. 

El patriarca de la Iglesia Ortodoxa Rusa calificó el virus como una “gracia del Dios”, o sea una inspiración para revisar los valores.

Y es dificil desacrodar con el patriarca. 

Esperamos que el virus ponga en claro el crimen de la sobrepoblación de Moscú, desafiante para la seguridad nacional (biológica o la que sea, es tan evidente, que hasta el actual Ministro de Defensa apoya la idea de trasladar la capital).

Esperamos que el hecho de la degradación de la medicina a pesar de su buen equipamiento lleve al reconocimiento de la falta de la democracia/comunicación entre los expertos, los profesionales, los ciudadanos irritados y el estado. La iniciativa molecular está tan pisada por el gobierno, que las “buenas ordenes” de arriba se cumplen abajo de la manera terrible y como es inacpetable la crítica y no hay comunicación con los jefes, no se puede moderar el cumplimiento inadecuado a tiempo…

Gracias a las sanciones por reintegrarse con la Crimea el grupo gobernante de Putin se concentró en las aventuras gasopetroleras. La desigualdad latinoamericana de los rusos fue compensada con ciertos paquetes de limosnas para los más jorobados. Según T.Piketty la desigualdad en Rusia de Putin subió al nivel de 1905. La idea fue construir un “imperio energético”. Parecía bastante racional. Además durante la bonanza petrolera y hasta durante la estagnación petrolera los rusos en su mayoría de alguna manera conseguían vivir sin estado. Pero con la caída de la economía extractivista la desigualdad se manifiesta dramáticamente. Y es difícil imaginar que la desigualdad descompensada pueda inspirar una economía nueva, superior al mero saqueo de las materias primas.


Feliz dia da Cosmonáutica!

A cosmonáutica, sendo uma sublimação da Guerra Fria (Corrida espacial)*, ao início gerou muito otimismo. Não foi apenas o avanço da Modernidade. Foi um grande desafio da cognição do mundo e da autocognição. Sergei Korolev, Wernher von Braun acreditavam nas civilizações extraterrestres, esperando um “contato”. Desde a Lua, as pragas da humanidade, como racismo, nacionalismo, etc., pareciam ridículas, era evidente a tese da convergência dos elementos socialistas e mercantilistas na Terra. Para? Para conhecer o Universo e se aperfeiçoar! O pensamento até se tornava pós-humanista, já que originalmente o cosmismo russo propus a superar a Morte mesmo, sair dos limites do corpo físico humano.

Hoje, a Estação Espacial Internacional continua sendo um dos símbolos da alta cooperação dos terráqueos. Mas. A quem. Interessa? Parece chato!

O efeito dos primeiros passos, que eram muito grandes, desaparece. A cosmonáutica é privatizada, torna-se mesquinha.

“Basta de dar de comer aos cosmonautas! E eles não são cosmonautas nenhuns: voam a 400 quilômetros, é a atmosfera da Terra!” – reclamam os entusiastas, preocupados com o desperdício de recursos (a cosmonáutica pilotável consome ⅓ parte do orçamento cósmico russo todos os anos, enquanto os japoneses, sem estar na EIE, fazem mais descobrimentos com ajuda de seus robôs ou modelos matemáticos) .

A cosmonáutica “frea” e “patinha” devido ao colapso da URSS, que foi arruinada em parte pela Guerra das Estrelas! À medida da desaceleração da cosmonáutica aumentam o racismo, o nacionalismo e outras pragas da humanidade. Mas a cosmonáutica não para.

E hoje nos lembramos de um dos momentos mais altos da história do planeta Terra: do primeiro voo do ser humano ao cosmos.

Feliz dia da cosmonáutica!

* É muito importante lembrar que o Sputnik em 1957, o voo de Y.Gagarin em 1961, etc. não eram meras prioridades da URSS, mas sua resposta assimétrica ao tremendo poder dos Estados Unidos. EUA depois da 2GM se acharam um líder indiscutível com o maior parque dos aviões no mundo. Se discutia somente a data do bombardeio atômico da URSS, cujo espaço aéreo foi sistematicamente violado até 1960, quando a URSS abateu um Lockheed U2 sobre os Urais – graças aos fogetes de seu programa espacial (!). Vostok – o nome, dado à primeira família de foguetes russos – quer dizer em russo “Oriente”: foi um triunfo do Oriente coletivo (Vostok) contra o Ocidente (seja em forma da Alemanha Nazista ou dos EUA).


Vitaly, é costume aqui dar gorjeta a motorista de táxi e Uber?

Uma pesquisa pouco confiável do ano 2016

A pobreza em massa é um fenómeno novo para a Rússia pós-soviética (segundo os dados do governo russo, um 15% dos russos vivem abaixo da linha da pobreza, se nós usarmos o padrão ocidental, esse número será muito maior). Assim, a tradição de gorjetas, que desapareceu depois da Revolução de 1917, desde 1991 está voltando.

Os motoristas de UBER/YANDEX ou os garçons dos restaurantes são as pessoas que estão no fundo da sociedade (em geral são migrantes das repúblicas outrora soviéticas, que depois da queda da URSS, caíram na Idade da Pedra: Quirguistão e Armênia, Uzbequistão e Tadjiquistão, Ucrânia e Moldávia). 

O salário diário dos taxistas nos últimos 7 anos caiu 3 vezes (graças à uberização). Se registram os casos das mortes dos taxistas em “seus” carros por trabalhar demais, como também morrem por trabalhar demais os entreguistas de comida, caindo de “suas” bicicletas. Sua vida é quase um inferno com o objetivo de entrar na classe média baixa.

Mas os usuários de UBER/YANDEX/SAVE-TIME também são as pessoas relativamente pobres, que lutam por não cair da classe média baixa ao submundo do UBER!

Em contrapartida os ricos não usam UBER, ou melhor dizendo, os ricos usam algum Uber Super Lux Plus (ou eles tem seus motoristas privados para não pagar nunca pelo estacionamento). 

A maioria dos russos não comem nos restaurantes onde há garçons, eles comem de vez em quando nos restaurantes de autosserviço, onde nem tecnicamente há jeito de deixar gorjetas.

Acontece então que os usuários de UBER, as pessoas que comem nos restaurantes de mass market ou as pessoas que compram a entrega de produtos QUASE NUNCA DÃO AS GORJETAS.

A situação da gorjeta acontece entre um rico e um pobre, e eles tecnicamente podem se encontrar só num lugar de chique, por exemplo, num restaurante do nível mais ou menos alto: cliente e garçom. 

Segundo uma pesquisa da opinião pública (pouco confiável) um 40% dos russos dizem, que deixam as gorjetas nos restaurantes e bares (mas é importante compreender, que a maioria dos russos não comem nos restaurantes com garçons cada dia, senão 1 vez por ano ou por vida). Só um 12% dos russos dão gorjetas aos taxistas (quando o uso de táxis é muito mais frequente e rutinario que comer num restaurante com garçons!).

Os líderes da opinião pública (que representam os ricos) nos aconselham a dar as gorjetas. Mas pela lei ainda não é obrigatório na Rússia.

No setor turístico também as gorjetas se tornam comuns. Alguns de meus motoristas até colocam em seus carros os cartéis: “tips are welcome”. Certos restaurantes já incluem as gorjetas na conta (incluem, porque os clientes não querem dar as gorjetas voluntariamente). Cotando os pacotes turísticos eu nunca espero as gorjetas, nem as incluo, mas a maioria de meus clientes ficam felizes com meu trabalho e deixam as gorjetas, claro que isso soube muito minha autoestima e isso é uma boa inversão de seu dinheiro.

Resumindo, entre os russos a gorjeta ainda não é comum. A última moda é oposta – procurar os cashbacks (programas de recompensa por pagar com certos cartões). Mas no setor turístico as gorjetas são bem-vindas (também pela lógica da desvalorização da Rússia: a Rússia se tornou um dos destinos mais económicos, vale a pena agradecer aos russos).

P.S.

Pode ser curioso que é quase uma tradição aqui de agradecer aos médicos ou aos professores do setor público com os pequenos presentes (tradição se formou no tempo de déficit ao final da Perestroika e avançou no tempo do fome dos anos do capitalismo selvagem). Os presentes podem ser pessoais ou coletivos. Com os coletivos há problemas: os filhos dos pais, que não podem ou não querem pagar tal dinheiro à escola, por exemplo, correm risco de bullying. Porque outros pais pagam – pela pressão da escola ou pela pressão de alguns pais ativistas idiotas. E o dinheiro não sempre vai para o professor ou para as reformas de aulas, este dinheiro facilmente pode ser roubado pelo diretor ou pelo chefe do comité dos pais. Nestes casos as gorjetas direitas seriam mais honestas, e muitos russos preferem presentear algo simbólico (com frequência já em forma de dinheiro), mas diretamente para o professor ou o médico.


Top 5 dos santos ortodoxos

O Centro Pan-Russo da Pesquisa de Opinião Pública (em russo WCIOM) fez um estudo sobre os santos dos russos ortodoxos:

Quantos santos ortodoxos você conhece?

Você pode nomear até 5 dos santos mais conhecidos?

E foi formado o seguinte “ranking”:

  1. São Nikolai, o Milagroso (48%)
  2. Matrona de Moscou (39%)
  3. Serafim de Sarov (18%)
  4. Mãe de Deus / Virgem Maria (14%)
  5. Sergio de Radonezh (11%)
  6. Jesus Cristo (10%)
  7. etc.

Para os russos este “ranking” é bastante natural. 

São Nikolai é nosso Papai Noel, também chamado no período do Ano Novo de Vovô Frio ou Vovô Gelo. Ele era considerado na época do Império dos Romanov um “Deus dos muzhiks (camponeses de gleba)”, produto do sincretismo entre a religião ortodoxa e as crenças pagãs. Segundo uma lenda popular, ele até deveria virar o Deus, mas recusou.

Santa Matrona, iluminando a Stalin

Matrona de Moscou é uma santa quase contemporânea (morreu em 1952), sua imagem popularmente está associada com Stalin: segundo um apócrifo popular, ela teve um encontro com Stalin durante a Batalha de Moscou e sugeriu ao comandante em chefe sobrevoar Moscou 7 vezes com o ícone de Nossa Senhora do Rio Don, e assim os russos ganharam a guerra contra toda a Europa Fascista. Muito fácil, né? Ao mesmo tempo, é certo que na véspera da 2GM o governo soviético prestou muita atenção à Igreja (separada do Estado depois da Revolução) e até começou a financiá-la para mobilizar toda a sociedade russa, incluindo a direita e a parte obscurantista da povoação.

Serafim de Sarov

Serafim de Sarov tem sido muito promovido ultimamente pelo oficialismo com ajuda da ideia de que ele possa ter inspirado o projeto atômico na URSS. Além disso, ele foi canonizado por Nikolai II e tem a ver com o mito “daquela Rússia que tínhamos perdido”. O santo atuava na área, onde mais tarde ficou uma cidade fechada dos cientistas e militares soviéticos feita para desenhar a bomba atômica. É lógico que este santo atualmente ganha a popularidade mediante apoio das Forças Armadas e da Agência de Energia Nuclear. Ambas instituições ainda não são privatizadas e continuam sendo os elementos mais modernos da Rússia. Serafim de Sarov se tornou a capa da ideologia da “ortodoxia atômica”.

Apesar da proibição de qualquer ideologia na Rússia pela Constituição pós-soviética, a Igreja Ortodoxa Russa e as demais fés tradicionais (Islã e Budismo) de fato têm todo o apoio do Governo para preencher o vazio ideológico com a ecléctica direitista. Mas vemos como Matrona de Moscou e Serafim de Sarov estão trazendo de contrabando o pacote soviético à consciência dos russos: o culto de Stalin (Estado forte e igualitário) e das altas tecnologias.

O perigo é que se tirarmos do “Stalin” os elementos pró-sociais, ficaremos com um “Pinochet”. E se deixarmos as altas tecnologias só com os ícones e as velas, receberemos “Cargo Cult”¨: os foguetes com motores a vapor de água benta.

Também pode parecer estranho que Jesus Cristo não esteja no Top 5 do ranking. Já Dostoiévski começou a questionar o lugar de Cristo nas igrejas oficiais (Lenda do Grande Inquisidor). Mas isso tem uma gênese mais profunda: nas igrejas ortodoxas russas o tema da Paixão de Cristo foi acentuado pela influência ocidental e só ao final do século XVII (quando a fila com estes ícones foi colocada no top do icionstacio, coroado desde aquel então com crucifixão). Também pode ser porque a natureza humana de Jesus não foi levada a sério pelo pensamento religioso na Rússia (apesar do conservadorismo ortodoxo, que acha que o Espírito Santo parte só do Deus Pai e não do Deus Filho). Por consecuencia, Jesus não é visto como um homem, senão como um Deus ou um avatar de Deus. Por isso, os inquiridos pensando em santos, não pensam em Jesus, que para eles é mais do conceito da Trindade e está acima de todos os santos.

É curiosa também a opinião popular sobre Jesus ouvida pelo escritor Mikhail Príshvin durante a Guerra Civil russa do início do século XX:

– Ele foi solteiro, sem filhos e não trabalhou, não é um exemplo para gente, nossa vida passa mais nos dias úteis, quando Ele tinha só festas. Seu caminho de salvação é impossível para gente.

– E vivem sem ser salvados?

– Grande maioria da gente não precisa disso: se dá pão – diremos: Graças a Deus! Não dá pão – há de aguentar. E vocês /os intelectuais/ não podem aguentar, se lhes tocou a dificuldade – vocês em seguida ligam para Cristo: isso é sua debilidade e o engano de orgulho, porque vocês não querem trabalhar, só querem andar, ensinar, sonhar…

Deve ser que por isso para um muzhik russo sejam mais importantes os milagros do Vovô Frio (São Nikolai, o Milagroso), que a filosofia de Jesus, revolucionária no fundo, mas escurecida pelos séculos da corrupção da Igreja.

Leia mas:

Ecléctica do putinismo na religião

Irgeja Ortodoxa Russa no Exterior

O povo russo é um povo porta-Deus?

Igreja Ortodoxa Russa vs Revolução


“Escola da vida. Memórias das crianças do cerco de Leningrado”

Meu exemplar do livro tem uma queimadura no bloco das páginas, onde as tocamos com os dedos para folhear. Pensei que este livro foi desenhado de tal jeito a propósito, mas não, o livro realmente sofreu uma queimadura. Encontrei este livro num bookcrossing.

Há muitas memórias da Grande Guerra Patriótica. “A guerra não tem rosto de mulher”, uma coleção das entrevistas das mulheres (este livro de S.Alexievich foi escrito antes da degradação intelectual da autora). Há memórias das crianças da Bielorrússia, onde havia campos de concentração para as crianças – os nazistas lhes tiravam o sangue para fazer transfusões a seus soldados.

Então agora acabo de ler as memórias das crianças, que viveram o cerco a Leningrado.

Apagão total.

Comida baseada na cola de madeira estava uma delícia. Igual ao “сafé da terra”, ou seja da terra encharcada com algo de açúcar e cinzas, resultado do bombardeio consciente dos nazistas dos Armazéns Badáievskie. 

Não funcionam aquedutos, nem tubulações para os esgotos. Dejetos humanos estão nos patamares de escadas, nas ruas.

Os fogões improvisados são usados só para aquecer a “comida”, queimando livros e móveis. Não há calefação, não há janelas de vidro e faz frio de menos 40 graus.

Cadáveres congelados dos pais nas camas junto aos órfãos, que ainda estão vivos.

Cadáveres dos vizinhos nas ruas com as bochechas cortadas.

Os gatos comendo outros gatos.

O escritor infantil Daniil Harms de origem alemão corre pela cidade, gritando que pronto ele vai junto com os nazistas matar aos soviéticos das metralhadoras. E ele não foi condenado a pena da morte, senão colocado num manicômio (hoje este homem está “canonizado” como um “dissidente”, ele foi um autor talentoso, eu li quase toda sua obra e gostei muito sem saber nada de sua biografia real, ele morreu de fome, mas sua mulher fugiu da URSS com os nazistas e acabou na Venezuela).

A vida está subordinada à guerra, os cidadãos estão classificados e alimentados segundo sua utilidade à Vitória e à sobrevivência do povo soviético. As mães jovens na evacuação trocam o sexo por uma lata: com uma só lata miserável elas podem alimentar suas crianças durante umas semanas.

Surgem o mercado negro, o banditismo, o fraude com os cartões de comida. A sociedade ainda é ex-camponesa, ou seja bastante cruel, se levanta o cinismo, acondicionado pelos resíduos da Guerra Civil (a Guerra Civil se acabou só uns 15 anos atrás!).

A vida humana e a dignidade se mantém exclusivamente graças ao Estado Soviético e ao Partido Comunista (fundamental para a Sociedade Civil daquele tempo) com seus disciplina de ferro e auto-sacrifício. Se organiza a distribuição daquele minimum do comestível que havia, trabalham os hospitais, se mantém a limpeza da cidade, se realiza o enterro dos mortos nas fossas comuns (registrando os sobrenomes). A educação das crianças se continua nos abrigos antiaéreos, até as festas infantis são organizadas! (claro, que ninguém dançava por não ter forças, só aguardavam algo para comer, mas ninguém comia, tudo foi levado à casa para compartilhar com a família). Super importante foi a animação com ajuda da rádio, onde trabalhavam os melhores poetas e músicos… E tudo isso foi secundário, porque em primeiro plano estava a defesa e a causa militar. Se Leningrado fosse cedida, sua população seguramente seria assassinada (os nazistas não planejaram trazer a comida para os russos, que sorpresa!), mas também caeira todo o frente de Murmansk (se perderia a comunicação com os aliados pelo Mar de Barents!), seria liquidada a indústria de Leningrado, a Armada no Báltico, e seguramente caeria Moscou, cuja povoação também seria assassinada pelos nazistas.

Lendo os livros deste tipo os leitores podem se surpreender, como é que os russos não mataram todos os alemães e seus puxa-sacos (quase toda a Europa colaborou com muito prazer e sem resistência relevante)? Isso foi outra proeza da URSS, um dos pontos mais altos na história da civilização.

Visitando São Petersburgo e ouvindo as falácias dos guias locais, que costumam elogiar o tempo do pesadelo dos Romanov, lembrem, por favor, da façanha de Leningrado, dos bombardeios “humanitários” europeus, da fome, do crime sem precedente da lesa humanidade, que cometeram o povo alemão e Europa Fascista. E os EUA também! Os EUA que poderiam salvar a situação, se entrassem na guerra não no final, senão no início (hoje os EUA gostam de capitalizar a memória da guerra, fazendo filmes sobre os judeus na 2GM, mas eles poderiam salvar pelo menos estes judeus – os americanos não fizeram quase nada para isso, sem falar dos interesses estritamente lucrativos que tiveram muitas elites americanas com os nazistas alemães).

Lembrem também, que todo o centro histórico de São Petersburgo é uma restauração soviética de Leningrado.

Um dos monumentos culturais mais belos da Resistência da Cidade de Lenin é o metrônomo de alarme antiaéreo, que pode ser ouvido nas certas ruas até hoje.


Anel de Ouro, 3 (três) dias

Não publicamos aqui as fotos da ruta legendária do Anel de Ouro, porque a rede está cheia destas imagens maravilhosas, só podemos garantir as melhores impressões. Sem sobredosis dos mosteiros, com um cronograma bem equilibrada, resultado de nossa experiência de muitos anos:

1º dia

08:00 – 12:00 transfer de Moscou para Vladimir

12:00 – 14:00 Portas de Ouro, Catedral de Assunção (este tempo foi modelo para a Catedral de Assunção no Kremlin de Moscou, só a Catedral de Assunção de Vladimir é 3 séculos mais velha).

14:00 – 15:00 almoço

15:00 – 16:00 transferidos para Suzdal

16:00 – 19:00 Tour de Suzdal: Museu de Arquitetura Tradicional de Madeira, Kremlin de Suzdal, Mosteiro de São Eufemio

19:00 – acomodação em hotel

2º dia

08:00 – 09:00 café da manhã

09:00 – 11:00 passeio por Suzdal

11:00 – 12:30 transfer para Rostov, o Grande

12:30 – 14:30 passeio pelas Muralhas do Kremlin de Rostov, visita às igrejas da Ressurreição, São João Batista, Salvador e às Camaras Brancas. Também subimos à Torre de Água com vista para o Lago Nero

14:30 – 15:30 almoço

15:30 – 16:30 transfer para Yaroslavl, uma das pérolas do Anel de Ouro, situada na beira do maior rio da Europa – Volga

16:30 – 17:30 Mosteiro da Transfiguração do Salvador em Yaroslavl

17:30 – 19:00 passeio pelo centro histórico de Yaroslavl com visita à Igreja de São Elias

19.00 – acomodação em hotel

3º dia

08:00 – 09:00 café da manhã

09:00 – 11:00 passeio de barco pelo rio Volga

11:00 – 13:00 transfer para Pereslavl-Zalesskiy, onde fazemos um photo-stop com vista para o Lago Pleshcheevo

13:00 – 14:30 visita ao Museu do Caminho de Ferro de Bitola Angusta (* se o museu estiver fechado, conhecemos o Museu “Barquito de Pedro, o Grande” – o Lago Pleshcheevo, onde está localizada a cidade de Pereslavl, foi o berço da Marinha Russa)

14:30 – 15:30 almoço

15:30 – 17:00 transfer para a Laura da Trindade e São Sérgio em Sergiev Posad, o mosteiro mais importante da Igreja Ortodoxa Russa

17:00 – 18:00 visita ao Mosteiro de São Sérgio

18:00 – 20:00 retorno a Moscou

Incluídos: 3 dias de transporte, 3 dias de guia, todos os ingressos, 3 almoços, duas noites em hotel (quartos duplos), alimentação de guia e motorista

Atenção: se tenho meu carro pessoal disponível, sempre faço um GRANDE DESCONTO para os grupos de 1 a 3 pessoas. Os demais grupos também podem contar com um DESCONTO EM FUNÇÃO DAS DATAS concretas de tour.

 

Se você quer reservar este tour, indique, por favor, na mensagem abaixo, que lhe interessa o Anel de Ouro de 3 dias:

+79262207923 (Whatsapp, Viber, Telegram)

vitaly@guiademoscu.com

Seu nome

Seu e-mail (requerido)

¿Quantas pessoas são?

Mensagem



Anel de Ouro, 2 (dois) dias

Não publicamos aqui as fotos da ruta legendária do Anel de Ouro, porque a rede está cheia destas imagens maravilhosas, só podemos garantir as melhores impressões. Sem sobredosis dos mosteiros, com um cronograma bem equilibrada, resultado de nossa experiência de muitos anos:

Primeiro dia

09:00 – 11:00 O parque soviético VDNKh, onde conhecemos o Monumento aos Conquistadores do Cosmos, o Monumento ao Trabalhador e à Camponesa, como também a mesma exposição VDNKh (em russo: Expo dos Successes da Economia Popular – são 75 pavilhões que apresentam as repúblicas da URSS e os ramos de sua economia, etc.)

11:00 – 13:00 transfer para Sergiev Posad

13:00 – 14:00 visita à Laura de São Sérgio, o mostéiro mais importante da Igreja Ortodoxa Russa

14:00 – 15:00 almoço

15:00 – 18:00 transfer para Pereslavl-Zalessky, onde visitamos o Museu do Caminho de Ferro de Bitola Angusta (* se o museu estiver fechado, conhecemos o Museu “Barquito de Pedro, o Grande” – o Lago Pleshcheevo, onde está localizada a cidade de Pereslavl, foi o berço da Marinha Russa)

18:00 – 20:00 transfer para Yaroslavl, uma das pérolas do Anel de Ouro, situada na beira do maior rio da Europa – Volga

Instalação no hotel, tempo livre

Segundo dia

09:00 – 10:00 café da manhã

10:00 – 13:00 City Tour de Yaroslavl: visitamos a Igreja do Profeta Elias e o Mosteiro da Transfiguração de Salvador (onde subimos ao Campanário para ver o panorama da cidade)

13:00 – 14:00 transfer para Rostov, o Grande

14:00 – 15:00 almoço

15:00 – 17:00 passeio pelos Muros do Kremlin de Rostov, visitamos as igrejas da Ressurreição, São João Batista, Salvador e as Câmaras Brancas. Também subimos à Torre de Água para disfrutar da vista para o Lago Nero.

17:00 – 20:30, retorno para Moscou, pelo caminho fazemos um photo-stop no Lago Pleshcheevo

Incluídos: 2 dias de transporte, 2 dias de guia, todos os ingressos, almoços, uma noite em hotel (quartos duplos), alimentação de guia e motorista

Atenção: se tenho meu carro pessoal disponível, sempre faço um grande desconto para os grupos de 1 a 3 pessoas. Os demais grupos também podem contar com um desconto em função das datas concretas de tour.

 

Se você quer reservar este tour, indique, por favor, na mensagem abaixo, que lhe interessa o Anel de Ouro de 2 dias:

+79262207923 (Whatsapp, Viber, Telegram)

vitaly@guiademoscu.com

Seu nome

Seu e-mail (requerido)

¿Quantas pessoas são?

Mensagem



  • -

Un humilde resumen de la política interna rusa en el año 2019

El precio de la Iluminación navideña en Moscú equivale al presupuesto anual de una ciudad rusa tipo Ulyanovsk (630 mil habitantes), Barnaul (630 mil habitantes), etc

En 2019 en general se han prolongado las inercias de los años de las vacas gordas (gracias al dinero, reservado por no desarrollar el país durante la alta coyuntura petrolera). Al mismo tiempo la hipertrofia grotesca de Moscú provocó una crisis de la sobreproducción de basura y de tal manera se agravó el conflicto con las regiones. Son problemas muy europeas, no? Italia vive algo semejante… Los temas de eco-activismo, reciclaje, etc. se sumaron al tema del urbanismo y así los poderes están felices por desviar el público de la cuestión clave: donde está el dinero?

El golpe más fuerte para la legitimidad del grupo gobernante sigue siendo la reforma de las pensiones. También es una tendencia occidental del desmontaje del estado de bienestar. Solo en Rusia es más serio, porque aquí la esperanza de vida cayó y la subida de la edad de jubilación significó la liquidación de las pensiones para la mitad de la población.

El gobierno también comenzó a reducir el número de los funcionarios, aunque la burocracia regional podría ser un soporte importante del país en el caso del caos en el centro. Austeridad clásica.

O sea seguimos el trayecto del mundo. El fatalismo de mercado causa la inutilidad de las regiones, de las relaciones con los países-vecinos y cuestiona la existencia de una gran parte de la población. Se estima que con la sobremortalidad actual para finales del siglo XXI se quedarán unos 90 millones de los rusos, y la tercera parte de ellos ya está “desplazada” para la aglomeración de Moscú (y por supuesto, no todos moscovitas están beneficiados: la ciudad se autodestruye, su crecimiento elimina las bellezas de la provincia de Moscú. A pesar del desarrollo fenomenal de transporte, las distancias crecen y las vidas se desgastan en las horas de transporte, en las hipotecas y alquileres. 

Se está agravando el frente bielorruso (con el mismo guión, que tuvo la pérdida de Ucrania: los bielorrusos no aguantan las subidas regulares de los precios de gas y petróleo rusos, mientras la producción bielorrusa no es complementaria para Rusia, sino competidora, entonces, desde la lógica del capital nacional ruso es un absurdo subsidiar al competidor bielorruso). Se ventila la posibilidad de integrar Bielorrusia para subir la legitimidad del putinismo, es un tema navideño de los últimos 2 años. No obstante el capital nacional bielorruso tiene miedo de tal M&A, ya que le espera la desindustrialización. Atención: lo mismo vivieron los países bálticos después de integrarse a la UE. Rusia no inventa nada.

En el frente ucraniano los prorrusos de las regiones rebeldes del Donbass ganaron los pasaporte rusos (análogo de régimen sin visado, que ganaron los pro EE.UU. en las regiones, controladas por Kiev). El resultado de su lucha ha sido una posibilidad de migrar para Moscú, comprar una hipoteca y desgastar su vida en el tráfico moscovita. Sin embargo es por lo menos algo, que por fin justificó su resistencia contra Kiev durante 5 años. Buen avanzo.

En 2019 Rusia se ha conectado con la península de Crimea mediante un puente ferroviario sobre el estrecho de Kerch (obra hecha con el dinero ruso). En el Oriente Extremo Rusia se ha conectado con China por un puente sobre el río Amur para el transporte automovilístico de carga (obra hecha con el dinero chino).

Rusia siguió manifestando su soberanía en Arctica (aparecen las nuevas fábricas de la liquidación de gas norteño). La modernización militar proseguible, como siempre en Rusia, es el argumento más importante de la utilidad del grupo gobernante, aunque los escépticos están preocupados que las bravatas militares son más bravatas que las militares.

El año 2019 no fue marcado con las trageidas de la escala nacional, sin hablar de las explosiones de gas, accidentes de tráfico, mass shootings en los colegios – las cosas que son regulares para cualqueir país occidental. Este argumento es importante para los servicios especiales que lo tienen como su mérito, justificando así sus privilegios.


  • -

Maratonas russas (de inverno)

Category : Uncategorized

Você adora o maraturismo?

Gosta de combinar os passeios e as corridas?

A Rússia está em boa forma para isso!

Hoje vamos falar do maraturismo de Inverno!

Kizhi Ski x-Race

Esta maratona deve ser uma das mais exóticas – corrida em esqui de fundo pelo lago Onezhskoe, que no inverno transforma-se um deserto de neve. Os organizadores levam os maraturistas para a ilha Kizhi em colchões de ar e sua tarefa será simplesmente voltar para a beira do lago na cidade Petrozavodsk em esqui. A distância é de 60 km. Os colchões de ar sempre acompanham a corrida (roupa quente, alimentação, ajuda médica, etc.).

A ilha Kizhi é famosa mundialmente pela igreja de madeira da Transfiguração de Cristo. Próximo fica o parque de montanhas Ruskeala (com uma pedreira de mármore, atualmente cheia de água). Relativamente perto se encontram os mosteiros importantes como Solovetsky e Valaamsky. O Solovetsky por um lado é símbolo da colonização russa do Norte, por outro lado ele sempre foi rebelde contra a política escravizadora dos czares. Na época da URSS lá ficava um campo de concentração para os perdedores da guerra civil russa (se eles ganhassem, a Rússia, igual à China do início do século XX se tornaria um espaço, partilhado pelas administrações estrangeiras).

É curioso que nesta região da Europa do Norte (Karelia) fossem descobertas as imagens mais antigas dos esquiadores (petróglifos de Zalavruga, há 8 mil anos). Todo indica que a Karelia num futuro próximo seja uma mecca dos esquiadores!

A capital de Karelia russa é Petrozavodsk (literalmente “fábrica de Pedro”, porque a cidade foi fundada por Pedro, o Grande, em 1703 para produzir canhões).

Lugar: Petrozavodsk

Data: 13 e 14 de março de 2020

https://kareliasportfest.ru/kizhi-ski-xrace/

A Rússia oferece muitas maratonas de esqui:

Nikolov Perevoz (perto de Moscou, 18.01.2020)

Diómino (350 km de Moscou, perto de Yaroslavl, uma das capitais da rota icônica Anel de Ouro, 29.02-01.03.2020)

Europa-Asia (perto de Ekaterimburgo, 07.03.2020)

BAM Angara (perto de Irkutsk – ou seja perto do Lago Baikal! – 23.03.2020)

etc. (consulte https://russialoppet.ru/)

A Estrada da Vida

E se você não está familiarizado com esqui, você pode simplesmente fazer uma maratona clássica (42,195 km) …só de inverno.

A Estrada da Vida é uma maratona, que celebra cada aniversário da derrota dos fascistas em Leningrado. O nome “Estrada da Vida” memoriza a rota heróica, que usaram os soviéticos para suministrar e alimentar a cidade de Lenin, bloqueada pelos soldados de Hitler (nazistas alemães, fascistas italianos, finlandeses, espanhóis, organizados por seus estados, e também os voluntários fascistas de todos os demais países europeus).

Lugar: São Petersburgo (outrora Leningrado)

Data: 26.01.2020

http://wnmarathon.ru/doraga-zisny