Stalin e Bulgakov, dois mestres

  • -

Stalin e Bulgakov, dois mestres

As relações de Stalin com os intelectuais é um tema interminável. Em geral se fala das ligações telefônicas, correspondências e encontros com os escritores e poetas (Stalin mesmo escrevia versos, quando era jovem). Mas o tema é mais amplo e inclui também os engenheiros, militares, cientistas. Ontem, falando com o amigo Rodrigo Peñaloza, tocamos o caso de Mikhail Bulgakov, um escritor satírico, que expressava o ressentimento dos ex, dos perdedores da guerra civil russa.

M.Bulgakov se tornou uma “estrela no céu” da Rússia nos anos 1990 graças ao filme soviético “Coração de Cão” (1988) com base de uma obra bastante débil dele, queremos dizer, que o filme soviético resultou mil vezes mais talentoso do que o conto original. É certo que o conteúdo e a mensagem da obra eram totalmente anti soviéticos (para não dizer extremistas). Foi plena Perestroika. Mas na Rússia atual seria impossível produzir um filme de tal qualidade (mesmo que o filme fosse soviético só no sentido da qualidade). E depois, à medida que a Rússia pós-soviética degradou, M.Bulgakov ficou desatualizado, não é uma “estrela no céu” nenhuma hoje na Rússia. Mas por certa inércia da propaganda o M.Bulgakov ainda continua sendo uma estrela russa no Ocidente e nas periferias ocidentais, como um satírico antisoviético em geral e anticomunista em particular.

Stalin e a “Guarda Branca”

Bulgakov, um escritor autônomo da URSS

Antes de tudo, queremos salientar, que I.Stalin foi criticado sempre por distanciar-se do esquerdismo revolucionário (“Termidor”, “Revolução Traída”, etc. – por Trotsky, por Khrushchev, por Gorbachev), isso se encaixa perfeitamente com o problema de Mikhail Bulgakov. No tempo de Stalin a URSS recusa do hino do Terceiro Internacional, retorna ao exército as ombreiras militares, tão odiosas para os vermelhos durante a guerra civil, muda a interpretação radical marxista da história russa do historiador brilhante M.Pokrovskiy (sugerimos assistir os filmes de S.Eisenstein “Alexandre Nevski”, “Ivã, o Terrível”, etc.), para cúmulo do stalinismo no metrô de Moscou aparecem as imagens de Cristo!

Foi lógico que Stalin também assistisse pessoalmente muitas vezes a obra de Bulgakov os “Dias dos Turbin” (com base do livro “A Guarda Branca”). “A Guarda Branca” não foi escrita para elogiar os brancos, mas para mostrar a gente perdida, desnorteada. Por certo, no estrangeiro neste tempo a comunidade russa rachou: se uns emigrantes se tornaram pró-nazistas, outros desenvolveram o pacote das ideias nacional-bolcheviques e eurasianas (pró-soviéticas).

Em nosso filme “Escravos: negros no Brasil, brancos na Rússia” falamos, que a Constituição de Stalin anulou a discriminação dos “ex” (ex-nobres, ex-ricos) do tempo de Lenin. 

Ao nível internacional Stalin sempre confirmava a continuação entre o Império Russo e a URSS (quanto aos territórios perdidos pelo colapso do Império). 

Foi um tempo da sínteses depois da revolução, certa “reação tradicionalista”.

Paradoxalmente na URSS da metade dos anos 1930 censuravam-se os autores e historiadores esquerdistas – por desprezar a história russa e a religião ortodoxa! Beleza?!

Então os autores comunistas censurados! E quanto aos “Dias dos Turbin” de Bulgakov, pelo contrário, a peça censurada em 1927 (pelo comissariado da cultura de A.Lunacharsky), foi lançada pela decisão do Politburo! Antes do mesmo jeito tinha sido lançada outra peça – o “Apartamento de Zoika” (Stalin também não achou nada antissoviético nela).

Stalin como um advogado de Bulgakov

Isso foi chocante para os autores abastados da turma de Mayakovsky, para a “nobreza do partido”. Em 1927 Bulgakov terminou sua peça “A fuga” (filmada na URSS em 1970). E havia muitas denúncias contra Bulgakov pelo motivo de este novo produto teatral (atenção: o cinema ainda não era desenvolvido, e o teatro com literatura eram literalmente um grande negócio, equiparável a Hollywood de hoje). Stalin respondia estas denúncias da esquerda contra Bulgakov, pedindo desideologizar a arte e introduzir os critérios novos, por exemplo: “soviético ou antisoviético” (carta para Bill-Belotserkovsky), Stalin diretamente advogava por Bulgakov e sua nova peça “A fuga”, defendendo a peça e oferecendo uma redação do compromisso. Protegendo o Bulgakov, Stalin sugeria à asa esquerda produzir algo concorrente!

Stalin no Teatro Bolshoi

Mas “A fuga” não foi lançada, porque heroizar tanto os brancos, apenas 10 anos depois da guerra civil, foi bizarro (mesmo que o protótipo do protagonista chave – o general Yakov Slashchov fosse um branco amnistiado, quem voltou à Rússia Soviética e se tornou um instrutor do Exército Vermelho, igual a A.Brussilov e muitos outros heróis da IGM). 

Tudo indica, que a censura não vinha da parte de Stalin e pelo contrário Stalin simpatizava ao Bulgakov (há outros exemplos de sua proteção: durante a discussão com os escritores ucranianos na presencia de Kaganovich Stalin voltou a repetir, que não se deveria insistir, que os intelectuais fossem comunistas).

Bulgakov com sua terceira mulher

Bulgakov tinha outros advogados poderosos da equipe de Stalin. Mas os grupos dos escritores proletários continuavam o xingamento do escritor. Nesta situação Bulgakov escreveu a carta famosa para Stalin, pedindo emprego. Stalin deu uma directriz para isso. E Bulgakov sempre tinha emprego (diretor-assistente, intérprete, libretista, ator, etc.). Bulgakov comreendia a mudança do rumo ideolôgico: em 1936 foi censurada a peça do poeta-bolchevique Demian Bedny, quem se burlava do batismo da Rússia (coisa absolutamente normal até 1936!). Bulgakov em seguida começou a escrever uma peça sobre o principe Vladímir-Batista (não terminada). E mesmo que ele fosse censurado, Bulgakov tranquilamente sobreviveu os anos terríveis para os intelectuais frondistas do purgamento pré-guerra: 1937, 1938 (sic!). Em 1939 Bulgakov até escreveu uma peça sobre Stalin mesmo – “Batum” e já se preparava sua encenação! Grosso modo, os romances “Mestre e Margarita” (1940, publicado na URSS em 1960), “Molière” (1936, a peça foi censurada depois da estreia) também são obras sobre Stalin, mas a “Batum” de 1939 foi um intento já bastante exagerado de bajular o “Pai dos Povos”. Stalin não gostou de esta quebra moral de Bulgakov e deixou de responder as cartas dele (cada vez mais desequilibradas). Stalin lavou as mãos, como Pilatos. Estava cada vez mais ativa a dinâmica da IIGM, e Bulgakov não era nada atual para a agenda da URSS, além disso apareceram os escritores concorrentes (o futuro prêmio Nobel Mikhail Sholokhov, entre eles). Com isso queremos adicionar, que o nível de Bulgakov é questionavel até hoje por muitos literários TOP da Rússia dos campos asbsolutamente diferentes (Eduard Limonov e Dmitriy Bykov, por exemplo).

Bulgakov no final de sua vida

A morte do Mestre

Bulgakov morreu em 1940. Como ele se achava (por si mesmo) muito “perseguido”, isso ficou refletido em seus textos às vezes talentosos e quase sempre tóxicos, e evidentemente isso foi um presente para a propaganda anti soviética dos anos da queda da URSS. Objetivamente este mito da persecução (ou até da persecução pessoal pelo Stalin) não tem a ver nada com a realidade. Como se Stalin não tivesse outros assuntos no final dos anos 1930. A vida de Bulgakov não foi tão trágica como a dos outros escritores e poetas. Sendo drogadicta, cabeza quente, muito conflictivo, Bulgakov não era angel nenhum nas relações com a sociedade e tinha muitos enemigos. O mesmo exemplo de B.Pasternak mostra, que havia roteiros alternativos e também autônomos.

Não é simplesmente ridículo reduzir todo o Bulgakov à persecução imaginária de Stalin, mas é um insulto contra a memória do escritor. Bulgakov, igual ao Pasternak ou Mandelstam, foi magnificado pela figura de Stalin. Stalin, o poder, é o tema principal de seu analise literario e de sua obra chave “Mestre e Margarita”. 

Bulgakov não era tão arrivista e imprudente como Osip Mandelstam (Mandelstam entrou na nomenklatura dos autores melhor pagos e caiu vítima da luta entre as elites), mas sim Bulgakov era valorizado pessoalmente por Stalin. Quanto à pobreza relativa de Bulgakov, sem falar da situação econômica no país dos anos pré-guerra, achamos, que vale lembrar do caminho dos gênios em qualquer tempo: a lista dos autores famosos, que acabaram na pobreza no Ocidente é interminavel e não tem a ver nada com Stalin).

Também é compreensível, que o regime actual da Rússia precise dos “mártires” para legitimar a decadência e o saqueio dos anos 1990-2000. Mas M.Bulgakov, B.Pasternak, até A.Platonov não estão entre os mártires do jeito nenhum. E até os quase mártires, como O.Mandelstam também não eram simplistas na sua relação ao projeto soviético. 

Nós não retiramos o Bulgakov da “constelação das estrelas” da literatura russa. Só dizemos, que sua estrela duvidosa deixou de dar luz na Rússia há muitos anos, também explicamos as razões ideológicas da conjuntura de esta “luz”. Sim, foi investido muito dinheiro na imagem de Bulgakov (filmes medíocres pós-soviéticos, traduções com os comentários ideologizados e falsificados). A propaganda chega ao Brasil devagar (é possível que O.Mandelstam e A.Platonov nunca cheguem, porque são mais sofisticados, até na Rússia pouca gente lê-los, mesmo que A.Platonov seja mil vezes mais forte do que qualquer Bulgakov).

P.S.

Pessoalmente eu, o autor deste ensaio, me sinto muito semelhante com Mikhail Bulgakov, acho que somos quase duas almas irmãs por causa das viradas históricas, que vivimos os dois, eu acho que compreendo muito bem seu patrimônio dos panfletos e seu espírito cínico e inadaptavel, e claro que sempre lhes ofereço os tours pela literatura russa, a ideia de este texto foi salvar a imagem de Bulgakov da simplificação idiota dos últimos 30 anos:


“Escola da vida. Memórias das crianças do cerco de Leningrado”

Meu exemplar do livro tem uma queimadura no bloco das páginas, onde as tocamos com os dedos para folhear. Pensei que este livro foi desenhado de tal jeito a propósito, mas não, o livro realmente sofreu uma queimadura. Encontrei este livro num bookcrossing.

Há muitas memórias da Grande Guerra Patriótica. “A guerra não tem rosto de mulher”, uma coleção das entrevistas das mulheres (este livro de S.Alexievich foi escrito antes da degradação intelectual da autora). Há memórias das crianças da Bielorrússia, onde havia campos de concentração para as crianças – os nazistas lhes tiravam o sangue para fazer transfusões a seus soldados.

Então agora acabo de ler as memórias das crianças, que viveram o cerco a Leningrado.

Apagão total.

Comida baseada na cola de madeira estava uma delícia. Igual ao “сafé da terra”, ou seja da terra encharcada com algo de açúcar e cinzas, resultado do bombardeio consciente dos nazistas dos Armazéns Badáievskie. 

Não funcionam aquedutos, nem tubulações para os esgotos. Dejetos humanos estão nos patamares de escadas, nas ruas.

Os fogões improvisados são usados só para aquecer a “comida”, queimando livros e móveis. Não há calefação, não há janelas de vidro e faz frio de menos 40 graus.

Cadáveres congelados dos pais nas camas junto aos órfãos, que ainda estão vivos.

Cadáveres dos vizinhos nas ruas com as bochechas cortadas.

Os gatos comendo outros gatos.

O escritor infantil Daniil Harms de origem alemão corre pela cidade, gritando que pronto ele vai junto com os nazistas matar aos soviéticos das metralhadoras. E ele não foi condenado a pena da morte, senão colocado num manicômio (hoje este homem está “canonizado” como um “dissidente”, ele foi um autor talentoso, eu li quase toda sua obra e gostei muito sem saber nada de sua biografia real, ele morreu de fome, mas sua mulher fugiu da URSS com os nazistas e acabou na Venezuela).

A vida está subordinada à guerra, os cidadãos estão classificados e alimentados segundo sua utilidade à Vitória e à sobrevivência do povo soviético. As mães jovens na evacuação trocam o sexo por uma lata: com uma só lata miserável elas podem alimentar suas crianças durante umas semanas.

Surgem o mercado negro, o banditismo, o fraude com os cartões de comida. A sociedade ainda é ex-camponesa, ou seja bastante cruel, se levanta o cinismo, acondicionado pelos resíduos da Guerra Civil (a Guerra Civil se acabou só uns 15 anos atrás!).

A vida humana e a dignidade se mantém exclusivamente graças ao Estado Soviético e ao Partido Comunista (fundamental para a Sociedade Civil daquele tempo) com seus disciplina de ferro e auto-sacrifício. Se organiza a distribuição daquele minimum do comestível que havia, trabalham os hospitais, se mantém a limpeza da cidade, se realiza o enterro dos mortos nas fossas comuns (registrando os sobrenomes). A educação das crianças se continua nos abrigos antiaéreos, até as festas infantis são organizadas! (claro, que ninguém dançava por não ter forças, só aguardavam algo para comer, mas ninguém comia, tudo foi levado à casa para compartilhar com a família). Super importante foi a animação com ajuda da rádio, onde trabalhavam os melhores poetas e músicos… E tudo isso foi secundário, porque em primeiro plano estava a defesa e a causa militar. Se Leningrado fosse cedida, sua população seguramente seria assassinada (os nazistas não planejaram trazer a comida para os russos, que sorpresa!), mas também caeira todo o frente de Murmansk (se perderia a comunicação com os aliados pelo Mar de Barents!), seria liquidada a indústria de Leningrado, a Armada no Báltico, e seguramente caeria Moscou, cuja povoação também seria assassinada pelos nazistas.

Lendo os livros deste tipo os leitores podem se surpreender, como é que os russos não mataram todos os alemães e seus puxa-sacos (quase toda a Europa colaborou com muito prazer e sem resistência relevante)? Isso foi outra proeza da URSS, um dos pontos mais altos na história da civilização.

Visitando São Petersburgo e ouvindo as falácias dos guias locais, que costumam elogiar o tempo do pesadelo dos Romanov, lembrem, por favor, da façanha de Leningrado, dos bombardeios “humanitários” europeus, da fome, do crime sem precedente da lesa humanidade, que cometeram o povo alemão e Europa Fascista. E os EUA também! Os EUA que poderiam salvar a situação, se entrassem na guerra não no final, senão no início (hoje os EUA gostam de capitalizar a memória da guerra, fazendo filmes sobre os judeus na 2GM, mas eles poderiam salvar pelo menos estes judeus – os americanos não fizeram quase nada para isso, sem falar dos interesses estritamente lucrativos que tiveram muitas elites americanas com os nazistas alemães).

Lembrem também, que todo o centro histórico de São Petersburgo é uma restauração soviética de Leningrado.

Um dos monumentos culturais mais belos da Resistência da Cidade de Lenin é o metrônomo de alarme antiaéreo, que pode ser ouvido nas certas ruas até hoje.


Nikolaj II poderia salvar a Rússia

uma diputada da Duma venerando Nikolai Romanov

I. “Perdoe-nos, Nikolai…”

Nos dias 16/17 de julho o oficialismo e a İgreja Ortodoxa Russa celebram o aniversário da morte dos Romanov.

Nas rodovias aparecem os cartazes com a imagem de Nikolaj II: “Perdoe-nos, senhor!”. Pode-se ver pessoas nas camisetas com a imagem de Nikolaj II e com a bandeira imperial: “Pelo império russo!”, “Deus, Czar, Nação”, “Somos russos”, etc.

A mensagem do oficialismo é que a Rússia dos Romanov era um grande e próspero império, destruído pela quinta coluna, chefiada pelos «judeubolcheviques» e outras minorias étnicas. “Os revolucionários possuídos por Satanás e pagos pela Inglaterra e Alemanha martirizaram os Romanov, incluindo as criancinhas”. Uma das versões mais psicopatas afirma que a cabeça de Nikolaj Romanov (depois de um assassinato ritual judaico, claro) foi cortada e colocada logo …no escritório de Lenin.

Tais bobagens literalmente são pronunciadas pelo presidente adjunto do Parlamento (partido governante), pelos diretores de cinema (que filmam produções medíocres com dinheiro estatal transmitindo esse lixo) e pelos milhões de popes (padres da Igreja Ortodoxa Russa) omnipresentes (na televisão nacional, nas escolas também).

Esse preconceito putinista é compartilhado pelos monárquicos, nacionalistas, neonazistas e por uma parte dos liberais.

II. O conteúdo real do mito

2 Oscars para promover o culto de Nikolai Romanov

…E quase por todos os turistas, que acompanho em Moscou! Graças aos desenhos animados lacrimosos sobre Anastasia, produzidos em massa no Ocidente (entre eles o que foi produzido em 1997 pela Fox) com a ideia de legitimar a restauração da monarquia na Rússia. A ideia que foi bastante atual no tempo de Yeltsin, hospitalizado permanentemente devido a seu alcoolismo. E até hoje o “roteiro espanhol” tem seus torcedores entre as elites russas (é quando um ditador põe um rei para legitimar a continuação perpétua do poder de seu grupo governante, como fez Franco).

A sociedade russa ainda não degradou suficiente para aceitar este marasmo, mas tudo é possível neste mundo. O projeto da restauração da monarquia originalmente foi promovido pelos brancos, que perderam a guerra civil e fugiram para Europa (perderam a guerra não obstante a ajuda dos 14 países estrangeiros que invadiram a Rússia!). A Igreja Ortodoxa Russa no Exterior tomou a responsabilidade por esta mitologia vulgar dos Romanov. Mantida pela Inteligência do Terceiro Reich nos anos 1933-1945, a Igreja Ortodoxa Russa no Exterior depois da Segunda Guerra foi financiada por CIA e agora depois de M&A com a Igreja Ortodoxa Russa, a Igreja, já unificada, tem todo apoio dos governos de Yeltsin e Putin, e como é sabido, a mentira repetida mil vezes torna-se verdade.

III. Os desajustes do mito

Se pode trollear os fãs de Nikolai II, dizendo, que Pedro, o Grande matou seu filho Alexej – por que não vamos canonizar esse Alexej também? Também foi assassinado Pedro III (com consentimento de sua mulher Catalina II), por que não vamos chorar por esse Pedro III? Todo o século XVIII foi uma série dos golpes palacianos, ou resulta que os Romanov podem ser assassinados só por outros Romanov? Mas neste caso temos que canonizar também Alexandr II, assassinado pelos radicais 36 anos antes da Revolução. Este não foi assassinado por outros Romanov, senão pela “plebe”. Nenhum destes czares foi feito recusar a religião ortodoxa. Ou seja, igual ao Nikolaj Romanov nenhum deles tem a ver algo com o martírio ortodoxo.

Outro dado para pensar. Como a Igreja Ortodoxa Russa no Exterior inventou o culto do Nikolaj Romanov sem saber de todos os detalhes do caso, segundo o mito os corpos dos Romanov foram liquidados em Gánina Jama. Muitos anos já os crentes ortodoxos tem os “orgasmos espirituais” neste lugar. Quando o Comitê de Investigação da Rússia já confirmou várias vezes com ajuda da impressão genética que os corpos dos Romanov foram sepultados em outro lugar – em Porosénkov Log. E agora a situação é bastante cómica: a Igreja Ortodoxa já investiu muito capital em Gánina Jama! Por isso a Igreja Ortodoxa Russa não reconhece os resultados da impressão genética, realizados pelo governo da Rússia!

O culto dos Romanov é ridículo e no fundo é uma vergonha. Já escrevemos bastante para desmitolgizá-lo: leia 7 fatos sobre o fuzilamento dos Romanov.

Uma tarefa mais do culto dos Romanov é profanizar e criminalizar a Revolução russa e o período soviético. Ao mesmo tempo, o período soviético continua sendo a única glória do povo russo e se o putinismo decide se refugiar no sovietismo, vai ser muito difícil se integrar o culto dos Romanov com o pacote soviético. Difícil, mas também possível: os putinistas dirão que Stalin foi um agente dos Romanov infiltrado no movimento dos revolucionários para restaurar o Império e logo passar o poder para Alexej Kosýgin, filho de Nikolaj Romanov! Neste caso os putinistas vão ter conflito com a Igreja Ortodoxa Russa, porque se trata da negação do assassinato dos Romanov…

IV. Nikolai II poderia salvar a Rússia

Em lugar de mentir deveríamos compreender melhor nosso passado para sacar as conclusões corretas! Grande historiador russo, Serguei Nefiódov, crê que Nikolaj II poderia salvar a Rússia, se fizesse uma reforma agrária. Assim, impressionadas pela revolução russa, os grupos governantes da Romênia, Polônia, Bulgária e Hungria, realizaram as reformas agrárias em seus países e prolongaram seu poder…

“Nós tratamos do mesmo fenômeno – da superpopulação agrária na Europa do Leste. A falta de terra para os camponeses causava a revolução. E ela explodiu em lugares diferentes, mas foi totalmente lógico… Em 1905 o primeiro-ministro Serguei Witte ofereceu ao czar Nikolaj II realizar tal reforma e tirar mais da metade das terras dos latifundiários pelo resgate, isso foi realizável. Como também isso foi realizável ainda nos anos 1916-1917…”.

O remédio de Witte (tirar as terras dos latifundiários) foi evidente depois da primeira Revolução Russa – em 1905, quando os camponeses queimaram cerca de 50% das casas de donos das terras na parte central da Rússia. Todos os chefes da polícia, envolvidos na liquidação dos distúrbios, apoiavam a solução de Witte.

Mas o czar Nikolaj Romanov, o Sanguinário respondeu com as represálias contra seu povo (realizadas mediante o novo primeiro-ministro Piotr Stolypin, logo assassinado pelos radicais).

Grosso modo, assim o czar, latifundiário #1 da Rússia, levou a Rússia para a catástrofe da revolução.

Depois da Revolução de Fevereiro (quando o czar se abdicou do trono) o Governo Provisório (conhecido popularmente como um “governo dos ministros-capitalistas”) também não quis fazer nenhuma reforma agrária! Em agosto de 1917 os camponeses começaram roubar e queimar as vilas dos latifundiários, os rebeldes mataram centenas dos donos das terras na Ucrânia e na parte central da Rússia. O exército, formado pelos camponeses mesmo, não pôde suprimir as revoltas. Por exemplo, quando o príncipe Boris Leonidovič Vjázemskij quis usar o exército contra “seus” camponeses na província de Tambov, os soldados ignoraram as ordens de seu comandante e deixaram os camponeses apreender o príncipe Vjazemskij. Os camponeses mandaram o príncipe preso para o front como “um prófugo”. Na estação de trens mais próxima o príncipe Vjazemskij foi linchado por um pelotão de uma companhia de choque siberiana, que viajava para o front. Nessa situação a única solução foi formulada de jeito muito simples: “Paz, pão e terra” e “Todo o poder aos Sovietes”. Não havia alternativa à aliança dos bolcheviques e socialistas-revolucionários de esquerda, que interceptaram o poder do governo provisório para ganhar um século mais para a Rússia.

Fontes:

Sergej Nefëdov, Sergej Kará-Murzá, Vasilij Gálin

Por que Putin tem medo de Lenin

7 fatos sobre os últimos Romanov

O oficialismo putinista vs a Revolução

Igreja Ortodoxa vs a Revolução

Dostoevskij sobre os últimos Romanov

Tolstoj sobre a situação em Moscou no tempo dos últimos Romanov


  • -

Eslavófilos sobre São Petersburgo

Aleksey Khomyakov foi um poeta e filósofo russo, considerado um dos fundadores do movimento dos eslavófilos*. Dizem, que Aleksey Khomyakov costumava se lembrar muito bem de sua primeira visita de São Petersburgo. Quando crianças ele com seu irmão foram trazidos a primeira vez para a capital dos Romanov, os pequenos moscovitas acharam São Petersburgo uma cidade …ultra pagã! Esfinges, leões, arquitetura columnar da Roma pagã… Os pequenos irmão ficaram tão assustados, que começaram a se preparar para uma morte dos mártires!

*Eslavófilo é um partidário da propagação da cultura ou tradições eslavas, leia mais: http://www.iscsp.ulisboa.pt/~cepp/indexfro1.php3?http://www.iscsp.ulisboa.pt/~cepp/ideologias/eslavofilos.htm


  • -

“Um tal. 1917”

Está se aproximando o dia 7 de novembro de 2017, que é o dia que se comemora o centésimo aniversário da Grande Revolução Socialista de Outubro de 1917. O evento, em geral, é ignorado na Rússia, mas o oficialismo tem que fazer algo, não tem? Porque, sem dúvidas, o interesse mundial pela Revolução Russa é grande, e o próprio povo russo ainda não se esqueceu totalmente da mudança que levou a Rússia de República das Bananas (os últimos Romanov) para uma superpotência (URSS). Ainda que as gerações jovens sejam idiotizadas pela propaganda da derrota e da restauração dos anos 1985-2017.

No museu oficialista de arte contemporânea “Galeria Tretyakov do século XX” foi aberta há pouco tempo a exposição “Um tal. 1917”. Sem chamar muito a atenção, claro… Quando o oficialismo quer promover algo, ele promove por todos os canais de televisão, nos horários de grande audiência. Falam sobre alguma chegada das relíquias de São Nikolai à Rússia e assim se formam as filas intermináveis para venerar essas relíquias (embora que em muitas igrejas russas SEMPRE haja relíquias de São Nikolai e por isso não deve haver agiotagem nenhuma). Então, não há barulho nenhum pelo motivo da exposição “Um tal. 1917”. Mas a exposição é interessante para compreender a postura do oficialismo.

Quanto à arte visual russa, sem falar da iconografia ortodoxa, o “monopólio natural” da Rússia é a vanguarda soviética: Tatlin, Rodchenko, Kandinsky, Malevich, Chagall, Deineka, Petrov-Vodkin, etc. São os ícones da arte do século XX, os nomes inseparáveis da Revolução Russa. Por isso a tarefa do oficialismo reacionário é no mínimo separá-los da Revolução e no máximo, se são absolutamente inseparáveis, desprezá-los.

A mensagem da exposição dedicada ao aniversário da revolução que o museu principal do país quer enviar para o público é seguinte: a democracia é muito questionável… Por isso a exposição se abre com o “desmascaramento” do “mito do povo russo”. Desde Fyodor Dostoiévski, os intelectuais russos tratavam o povo russo como a única fonte de verdade, como um povo “porta-Deus” (portador da ideia de Deus). Todo o movimento intelectual russo girava em torno do populismo, no sentido de libertar o povo escravizado pelos Romanov (que levaram o nosso povo até quase um estado animal). Os sucessos do período soviético na ciência, arte, esporte, guerra e economia são uma consequência da realização deste sonho dos populistas russos. Então, a visão atual do oficialismo é diferente, o povo não é “portador de Deus”… Os curadores da exposição “Um tal. 1917” destacam a obra de Boris Grigoriev, que apresentou o nosso povo como uma plebe. Que caras cruéis, ignorantes, perigosas… Lembre da russofobia de Ivan Bunin (premiado por sua russofobia com o Nobel em 1933): “Suas vozes são uterinas, primitivas. Os rostos das mulheres são como da Chuváchia, da Mordóvia, os rostos dos homens, todos como regra, são criminosos, alguns são diretamente de Sakhalin. “E quantos rostos são pálidos, de maçãs salientes, surpreendentemente assimétricos entre a plebe russa – quantos são os indivíduos atávicos, fortemente amassados no atavismo mongol!” (extraido dos “Dias malditos”, um livro de Bunin, onde o autor sonha com a ocupação da Rússia pelos alemães).

Claro que os conteúdos principais da exposição são: Tatlin, Rodchenko, Kandinsky, Malevich, Chagall, Deineka, Petrov-Vodkin, etc. Mas no final, para que o espectador não se esqueça da mensagem do oficialismo, oferecem um “epílogo” do qual se pode deduzir que é provável que todos os gênios da arte soviética tivessem uma moralidade dupla e que talvez trabalhassem de um jeito genial contra sua vontade, pelo medo, etc. Assim o oficialismo profana a coisa mais sagrada da arte russa: a vanguarda soviética.


Mikhail Príshvin, 1919

Bate-papo com um cínico (extraído do livro de Mikhail Príshvin “Cálice Mundana, o ano 19 do século XX”):

– Crucificação é um negócio rápido, sofreu umas horas e morreu. Igual ao nosso tempo em que movem o ponteiro de relógio e acham, que toda a vida muda por isso. Assim é crucificação, ela vai com um tempo rápido, de jeito soviético, quando a vida vai de jeito do sol, devagar, é um trabalho lento, deixa-nos descansar um pouco, mas em seguida volta a apertar-nos – há de estar sempre em um ponto: está cravada uma estaca e eu estou atado a ela, como um torito… Cristo só andava, ensinava e foi crucificado, mas ele não trabalhava. Isso! Vocês não leem o Evangelho, precisam ler mais. Em nenhum lugar aí não foi dito, que Ele estava sentado e trabalhando, só andava e ensinava

– E não salvou?

– Ele foi solteiro, sem filhos e não trabalhou, não é um exemplo para gente, nossa vida passa mais nos dias úteis, quando Ele tinha só festas. Seu caminho de salvação é impossível para gente.

– E vivem sem ser salvados?

– Grande maioria da gente não precisa disso: se dá pão – diremos: Graças a Deus! Não dá pão – há de aguentar. E vocês /os intelectuais/ não podem aguentar, se lhes tocou a dificuldade – vocês em seguida ligam para Cristo: isso é sua debilidade e o engano de orgulho, porque vocês não querem trabalhar, só querem andar, ensinar, sonhar…


Os 7 fatos sobre o fuzilamento da família dos Romanov

Celebrando o centenário da Grande Revolução Socialista de Outubro de 1917 a imprensa oficial da Rússia inculca a ideia da causalidade da revolução russa (1905-1917), que foi “uma consequência bizarra da “sobreprosperidade” do Império dos Romanov e da confabulação de Grã-Bretanha/judeus/reptilianos”, etc. [1.] A “bonança” dos Romanov foi destruída pelos “bolcheviques satânicos” que “desviaram” a Rússia do “caminho natural” para 70 anos do “pesadelo do Stalin/GULAG/KGB”. Um dos elementos mais importantes da mitologia anti soviética é a história do fuzilamento da família de Nikolai Romanov (outrora czar da Rússia).

1. A dinastia dos Romanov começou com o assassinato de uma criança inocente

Os Romanov mataram um menino de 3 anos por “atividades criminosas”

É importante lembrar que a dinastia dos Romanov começou com o assassinato de uma criança inocente – Ivão, filho do Dmitri, o Falso II. Essa criança foi um dos candidatos para o trono da Rússia ao início do século XVII durante “o tempo escuro” [2.]. Certas regiões da Rússia não aceitaram a eleição (pouco democrata) dos Romanov e apoiaram Ivão, filho do Dmitri (a gente ainda não sabia que esse Dmitri foi o “falso II”: se seu partido ganhasse, ele seria verdadeiro). O partido dos Romanov ganhou, e Ivão, filho do Dmitri, o Falso II foi enforcado “por suas atividades criminosas”. O “criminoso” Ivã tinha apenas 3 anos. A corda dos Romanov não asfixiou seu pescoço suficientemente e ele morreu umas horas depois do enforcamento pela causa do frio de inverno. Assim os Romanov começaram seu governo de 300 anos [3.].

2. O governo dos últimos Romanov foi uma catástrofe para a Rússia

Nikolai II gostava de brincar com seu elefante e caçar corvos

O governo dos últimos Romanov foi uma catástrofe para a Rússia. O grande Liev Tolstoi (excomungado pela Igreja Estatal dos Romanov) escreveu, que a subalimentação de camponeses era permanente e a fome começava na Rússia não quando não havia boas colheitas de trigo, senão quando não havia boas colheitas de Atriplex (uma erva daninha que os camponeses costumavam misturar com o trigo, porque nunca comiam o pão de trigo puro). Os escritórios de recrutamento durante a Primeira Guerra Mundial registravam a desaceleração dos camponeses: se reduzia o volume dos pulmões, a altura, o peso, etc. A exportação de trigo dos últimos Romanov foi “faminta”: “Subalimentamos o povo, mas vamos exportar o trigo a qualquer custo!”.  Sem dúvidas, os camponeses consideravam os latifundiários “parásitas”. Durante a revolução de 1905, os camponeses queimaram cerca de 50% das casas de donos da terras na parte central da Rússia. A parte central viraria a base do bolchevismo. A Rússia de Nikolai II perdeu a guerra contra o Japão e sua atividade na Primeira Guerra Mundial foi pagar com a buxa de canhão seus dívidas ante os bancos da Inglaterra e da França (a produção dos armamentos na Rússia foi muito inferior que em outros países participantes da IGM, não é de surpreender que o Exército Russo tivesse um record de deserção).

3. Os bolcheviques não tem nada a ver com a abdicação do czar Nikolai II

Nikolai II chegou a estação “Submundo”

Os bolcheviques não tem nada a ver com a abdicação do czar Nikolai II. Nikolai II abdicou ao trono em março de 1917, no resultado da Revolução de Fevereiro de 1917. A Revolução de Fevereiro foi burguesa, realizada sob pressão do capital estrangeiro (o czar no caso de sua “iluminação” poderia se retirar da I Guerra Mundial, além disso sendo um autocrata ele não podia garantir a inviolabilidade dos investimentos do capital estrangeiro). A pressão dos liberais sobre o czar também foi alta: eles não gostavam do costume do czar de dissolver o parlamento russo (um parlamento fantoche). Os latifundiários odiavam o czar pelo monopólio sobre a produção de álcool (quando os preços de trigo caiam no mercado externo, o czar costumava produzir desse trigo a vodka e vender para a plebe essa droga para ganhar o dinheiro no mercado interno, hoje do mesmo jeito na Rússia crescem os preços da gasolina no mercado interno, quando o petróleo cai no mercado externo). Os generais e oficiais odiavam o czar pela humilhação do Exército, destruído pela política econômica dos governos tanto liberais como populistas de Nikolai II. Sendo boa pessoa,  Nikolai II por sua incapacidade governamental ficou o czar mais odiado na história da Rússia. A abdicação de Nikolai II foi aplaudida pelos latifundiários, militares, liberais, Igreja Ortodoxa Russa (sic!) e pela imprensa ocidental. Nikolai II, comandante em chefe abdicou do trono arrestado por seus próprios generais, quando seu vagão foi parado na estação “Dno” (em russo: fundo, submundo, o título do livro de M.Gorki “No fundo” é traduzido para português como “Ralé”, “Submundo”).

4. O rei inglês recusou a solicitação de asilo político de seu primo Nikolai Romanov

Nikolai II e Jorge V

Apresado pelo governo provisório da Revolução de Fevereiro, Nikolai II queria se refugiar na Inglaterra. Jorge V do Reino Unido foi primo do Nikolai Romanov (fisicamente são quase gemelos), mas o rei inglês recusou a solicitação de asilo político de seu primo Nikolai Romanov – o governo britânico não queria estragar as relações com o governo provisório russo, dirigido pelo maçom anglófilo Alexander Kerensky.

5. Lenin não tem nada a ver com o fuzilamento do cidadão Nikolai Romanov

O governo provisório de Kerensky não foi legítimo, não representava os povos da Rússia, que encontraram outra forma de sua representação – os “sovietes” (conselhos legislativos), coroados por Soviet de Petrogrado. Baseado no apoio do Soviet de Petrogrado mesmo o grupo de Vladimir Lenin em Outubro de 1917 deu um golpe contra o governo provisório do capital estrangeiro. É importante entender que no Soviet de Petrogrado os bolcheviques (partido de Lenin) compartilharam a maioria com outros grupos de radicais: o Partido Socialista Revolucionário da esquerda, os mencheviques e os anarquistas. Como os primeiros decretos do Poder Soviético foram os decretos de Paz (retirada da Primeira Guerra Mundial), expropriação da terra e cancelação da dívida ilegítima do czar e do governo provisório, bastante rápido começou a guerra civil russa: a grosso modo, entre os povos da Rússia e os exércitos privados dos latifundiários, apoiados pelo Ocidente. A guerra civil na Rússia foi acompanhada pela agressão militar dos 14 estados do Ocidente (imaginem só que a Rússia se tornou tão fraca e caótica que os países como Finlândia e Polônia ocuparam vastas regiões do gigante nortenho!). Além da guerra civil o grupo dos radicais que subiram ao poder, tinham muitos conflitos internos. Muitos Sovietes nas regiões foram controlados não só pelos bolcheviques, mas pelos Socialistas Revolucionários da esquerda também (o partido mais radical da Rússia, responsável por muitos atentados contra os czares, seus ministros e governadores) e por outros radicais incontroláveis. A decisão do fuzilamento de Nikolai Romanov e sua família foi tomada pelo Soviet de Urales, dominado pelos bolcheviques e Socialistas Revolucionários da esquerda, bastante contrarios à política do centro. É importante que o fuzilamento de Nikolai Romanov acompanhou a rebelião do partido dos Socialiastas Revolucionários da esquierda contra os bolcheviques em Julho de 1918 (a rebelião infectou várias cidades do Norte do rio Volga, os rebeldes contavam com a intervenção militar dos ingleses, estadunidenses y franceses pelo Mar Branco, os rebeldes tomaram vários prédios em Moscou e prenderam o chefe da Polícia Secreta dos bolcheviques – Dzerzhinsky. Antes de tudo eles mataram o embaixador da Alemanha! – tudo isso para revisar as condições de Paz, assinada pelo grupo de Lenin). Também em Julho de 1918 se abriu um novo foco da guerra civil – na região de Urales mesmo – com a rebelião da Legião Checoeslovaca (presos do Império Russo, estes soldados não reconheceram o poder sovıétıco e queriam continuar a I Guerra Mundial contra a Rússia desde dentro da Rússia do lado da França). Os Romanov foram exiliados para Urales pela segurança – mais longe da guerra civil, mas a guerra lhes encontrou nas Urales também! Para o governo de Vladimir Lenin, os Romanov foram um argumento importante para as negociações com o Ocidente e claro que os bolcheviques gostariam de julgar Nikolai Romanov publicamente por seus crimes incontáveis contra os povos da Rússia. Seu fuzilamento foi uma manifestação radical dos bolcheviques e Socialistas Revolucionários da esquerda da região de Urales, resultado do caos da guerra civil no contexto da escalada de ela. Não há nenhuma prova da decisão pessoal de Lenin ou de outros chefes do Partido Bolchevique sobre tal fuzilamento.

6. Fuzilamento do outrora czar mais odiado não deu impacto nenhum na Rússia

Se os Romanov foram fuzilados, de onde provêm todos os freaks que hoje se acham os Romanov? Simplesmente os radicais que odiavam os Romanov não conseguiram matar todos os Romanov. Os bolcheviques (que nos primeiros anos não controlaram nem seu próprio partido completamente) simplesmente deixaram a maioria dos Romanov ir embora do país. Nem fuga dos reis, nem fuzilamento do outrora czar mais odiado não deram impacto nenhum na Rússia, havia coisas mais emocionantes: a crise econômica e o desastre da guerra civil, produzidos pela política terrível de Nikolai II.

7. Os mais inteligentes dos Romanov reconheceram a verdade histórica dos bolcheviques. 

Alexandr Mijáilovich, neto do czar Nicolai I e tio do czar Nicolai II (também foi marido da irmã de Nicolai II), chefe da Direção da Frota Comercial do Império Russo escreveu: “Ocorreu-me que embora eu não fosse um bolchevique, eu não podia concordar com meus parentes e conhecidos e de forma imprudente condenar tudo o que os Soviets fazem, só porque isso é feito pelos Soviets. Sem dúvidas eles mataram três dos meus irmãos [para Alexandr Mijáilovich todos os radicais são bolcheviques], mas eles também salvaram a Rússia do destino de um vassalo dos aliados. O tempo, quando eu os odiava e tinha muitas ganas de chegar até Lenin ou Trotskiï, passou, porque eu comecei obter as notícias sobre um e depois sobre outro passo construtivo do governo de Moscou e encontrei-me com o fato de que eu sussurrava: “Bravo!” [4.].

Leia mais:

1. http://guiademoscou.blogspot.ru/2016/01/por-que-putin-tem-medo-de-lenin.html

2. https://pt.wikipedia.org/wiki/Tempo_de_Dificuldades

3. http://guiademoscu.blogspot.ru/2013/12/los-romanov-mi-historia.html

4. http://guiademoscou.blogspot.ru/2014/05/os-ultimos-romanov-seriam-bolcheviques.html

Bibliografia:

Elena Prúdnikova

Serguei Kara-Murzá

Serguei Nefiódov

Boris Yúlin


O que levar de presente do Brasil para a Rússia?

– Uma garrafa de cachaça é um ótimo presente. A cachaça é semelhante à vodka caseira russa, conhecida como “samogon” e os russos vão gostar!

– Camiseta da Feb (Força Expedicionária) – os russos quase não sabem nada da participação brasileira na 2GM e eles vão gostar muito da história de como “a cobra fumou”. Aseguramos, que Camiseta da Feb vai ser muito mais original que uma camiseta da seleção brasileira!

– Café? É um presente universal, mas na Rússia se vende bastante café brasileiro, embora este café provavelmente seja falso. Por isto há de presentear com um café 100% autêntico. Erva mate? Pode ser, mas na Rússia ela é mais associada com a Argentina graças aos livros de Julio Cortázar. Não tem associação com o Brasil. Mas como os russos são campeões no consumo de chá, sem dúvida eles vão gostar da erva mate.

– Um disco da Bossa Nova? – legal! Mas o tema, igual ao café, é bastante famoso na Rússia. Não seria melhor levar um disco de Luiz Gonzaga? Os russos são super musicais, sem dúvidas eles vão ficar loucos pelos sucessos como “Pagode Russo” ou “A Vida de Viajante”! O acordeão é muito significativo para os russos. E o chapéu cangaceiro?! É um presente genial para acompanhar um disco de Luiz Gonzaga!

– Calça branca para homem. Melhor que seja do Rio de Janeiro! Parece estranho? Vou explicar. Pelo romance satírico russo “As 12 cadeiras” a calça branca do Rio de Janeiro virou para os russos um símbolo de êxito [1.]. O herói do romance é um aventureiro que considera a Rússia Soviética um país dos inocentes e sonha com enganar o “sistema”, ganhar um milhão e correr para o Brasil, para o Rio de Janeiro, que segundo ele é uma cidade chique, uma cidade de milionários, onde cada homem usa calça branca e nas ruas se dança o charleston intitulado “Minha menina tem uma coisa pequenina”. “Rio de Janeiro – o sonho de cristal da minha infância… 1,5 milhão de pessoas e todas estas pessoas usam as calças brancas”. O Rio de Janeiro de “As 12 cadeiras” é um satírico mito antagonístico à realidade soviética da pós-guerra civil dos anos 1920. O romance “As 12 cadeiras” tornou um dos livros mais lidos na língua russa. Muitas frases do romance hoje são provérbios e memes populares. Calça branca do Rio de Janeiro é um desses memes. Na URSS foram feitos vários filmes baseado neste romance, que também são atualmente uma clássica de ouro do cinema russo.

Claro que nossa lista breve trata-se só dos presentes geniais, mas qualquer presente, até o mais banal possível [2.], sempre é um presente e os russos lhe vão agradecer de todo coração.

  1. https://novaziodaonda.wordpress.com/2009/06/15/as-doze-cadeiras/
  2. Uma lista dos presentes mais banais do Brasil:  http://gazetarussa.com.br/blogs/2013/10/24/melhores_presentes_do_brasil_para_dar_a_um_russo_22447

Leia também: “Dicas para visitar os russos”

 


Tour panorámico pela literatura russa

É impossível mencionar a todos os escritores e poetas russos num artigo. Há mais literários russos que as estrelas no céu. Vou falar só de alguns escritores reconhecidos mundialmente, que estão conectados com a Revolução, porque este ano celebramos o centécimo aniversário da Grande Revolução Russa.

Um dos museus mais impressionantes de Moscou é o Museu de Vladímir Maiakovski.

http://mayakovsky.museum/small/tour.html

Vladímir Maiakovski foi um poeta-futurista, radical bolchevique, que passou um tempo na prisão dos czares e na época soviética virou um ícone da Revolução Russa. É por isso que seu museu fica ao lado do prédio da KGB, que era uma “ordem dos cavaleiros da espada” da Revolução Russa.

Maiakovski foi bastante privilegiado, quando outros literários conservadores (ou simplesmente muito menos vanguardistas) ficaram no esquecimento e na pobreza. A tragédia pessoal de Maiakovski é uma tragédia da revolução russa. O poeta suicidiou.

Leia mais sobre Maiakovski em nosso blog:

http://guiademoscu.blogspot.ru/2010/07/mayakovski-117.html

Museu Casa de Máximo Gorki também vale muito a pena. Na época soviética a avenida principal de Moscou tinha nome desse escritor (como também a terceira cidade da Rússia Nizhniy Nóvgorod que se chamava simplesmente Gorki). Se Maiakovsi fosse um capitão da revolução, Gorki foi um dos generais. E logicamente sua casa foi o estado maior da literatura russa, que até agora guarda as listas de todos os visitantes. Antes de receber ao escritor proletário a casa pertencia a um dos milionários da época dos czares.

https://www.tripadvisor.com.br/Attraction_Review-g298484-d302513-Reviews-Gorky_s_House_Ryabushinsky_Mansion-Moscow_Central_Russia.html

Museu finca de Liev Tolstói em Jamóvniki

Se Máximo Gorki foi nomeado para o prêmio Nobel 5 vezes, Liev Tolstói recusou o Prêmio Nobel 16 vezes. Liev Tolstói não gostava do prêmio Nobel, como também ele não gostava de Moscou. Não obstante pela causa de seus filhos ele teve que passar 19 invernos aqui. Liev Tolstói optou por uma casa simples, sem electricidade, sem aqueduto, localizada num bairro dos operários, fora do centro (que contraste com Máximo Gorki!). Justo no período de seu trabalho em Moscou Liev Tolstói virou um “espelho da revolução russa” e foi excomungado pela igreja dos Romanov.

https://www.tripadvisor.com.br/Attraction_Review-g298484-d530937-Reviews-L_Tolstoi_s_Khamovniki_Memorial_Estate-Moscow_Central_Russia.html

Leia também sobre nosso Liev Tolstói Tour para Yásnaya Poliána.

Museu Apartamento de Mijail Bulgákov

Mijail Bulgákov tinha sido um soviet-cético (por analogia com eurocéticos), e por isso atualmente ele virou um dos escritores mais populares entre as elites da Rússia capitalista/anti soviética. Certas obras de Bulgákov foram super popularizadas nos anos 1980 para promover as ideias do darwinismo social e destruir o estado social na Rússia (hoje na Rússia segundo a estatística oficial 15% da povoação está abaixo da linha da pobreza). Ao mesmo tempo Bulgákov foi um gênio e um dos escritores mais favoritos de Stalin. Stalin pessoalmente preocupou por seu bem-estar (porque os chefes da literatura brigando pela atenção do poder costumavam subestimar a seus colegas: assim foi Boris Pasternak, responsável em parte pela morte do poeta russo Osip Mandelstam, assim foi Iosif Brodskii, que influiu muito em caminhos dos escritores emigrantes da URSS). O apartamento de Mijail Bulgakov fica ao lado do bairro onde começa a história do “Mestre e Margarida”.

http://bulgakovmuseum.ru/en/

Museu Casa de Antón Chéjov

Antón Chéjov é um dos dramaturgos mais conhecidos mundialmente, e a primeira vista ele tinha pouco a ver com a Revolução. É certo que Chéjov não foi tão crítico do regime dos Romanov como Liev Tolstói. Mas seu espírito apolítico, apateista refletiu bastante com os sentimentos pessimistas duma parte das elites russas, que não sabiam e nem queriam saber do país onde elas viviam.

https://www.tripadvisor.com.br/Attraction_Review-g298484-d530913-Reviews-Chekhov_House_Museum-Moscow_Central_Russia.html

O roteiro pelos museus mencionados no mapa de Moscou (sugiro usar os ônibus e caminhar a pé):


Embrulhamento dos russos

Um dos mitos sobre o “totalitarismo inerente” dos russos diz que os russos são totalitários, ou seja “fechados, rudes, com cara de poucos amigos, aborrecidos, atrasados mentalmente, super introvertidos e por isso propensos para uma monarquia absoluta ou um sistema unipartidário”, etc. porque as mães russas costumam enrolar seus bebês em cueiros apertados demais. Os cueiros apertados levam as pessoas para um regime apertado…

É ridículo este mito. Desde há muito as mães russas não praticam mais o “embrulhamento apertado”. Além disso a teoria de totalitarismo atualmente é considerada obsoleta, primitiva demais no próprio Ocidente.

Ao mesmo tempo é certo que as camponesas russas na época do pesadelo dos Romanov praticavam o “embrulhamento apertado” de bebês. Por que? Porque elas não tiveram tempo para cuidar de seus bebês! Para a segurança do bebê, a mãe o deixava “preso em cueiros”. As mães assim como os pais tinham que trabalhar muito, porque os camponeses eram literalmente escravos dos latifundiários “nobres”. Além disso o trabalho de verão era tão duro, que 80% dos bebês nascidos durante o verão morriam. As mães não tinham nem tempo nem leite para sustentar estas crianças. Os donos das escravas por seu capricho também puderam fazê-las amamentar com seu leite seus cachorros de lebréus.

A coisa mais interessante é que este “fenômeno” de sobre-exploração sádica não foi unicamente russo. A mesma história acontecia por todas partes. Por exemplo, na França, onde as mulheres empregadas na indústria de seda, também não tinham tempo para cuidar de seus bebês. As mulheres das cidades têxteis contratavam as amas de leite camponesas e enviavam seus bebês para as aldeias dessas camponesas, e “o índice da morte desses bebês reduz o otimismo sobre a natureza de gênero humano”. <1>. Deixar os bebês “presos em cueiros” foi uma das soluções. Assim como na Rússia, na França a maioria destes bebês morriam pelo déficit da atenção de adultos. O abandono das crianças também acontecia em massa na Europa na época feudal e proto-industrial (XII-XVIII). Obviamente o “embrulhamento apertado” de bebê foi a primeira fase do abandono. E o índice de abandono em Paris do século XVIII, até a revolução, foi de 40% de todos os bebês nascidos na capital! A dinâmica de abandono/mortalidade infantil nas cidades da França estava determinada pela dinâmica do preço de trigo de centeio. <2> Assim como a mortalidade dos bebês dos camponeses russos, que produziam esse trigo mesmo.

Mas o “embrulhamento apertado” e abandono de bebês em massa na França não se consideram uma causa do totalitarismo francés (nem do colaboracionismo total com os nazistas alemães), por isso é muito estranho que o “embrulhamento apertado” é considerado por alguns expertos como uma causa importante dos regimes de “mão dura” na Rússia.

Para saber mais sobre o assunto, seguem-se alguns links abaixo

  1. Handbook on Evolution and Society: Toward an Evolutionary Social Science.  Alexandra Maryanski, Richard Machalek, Jonathan H. Turner
  2. Abortion and woman’s choice: the state, sexuality, and reproductive freedom/Rosalind Pollack Petchesky, números 78 e 79.
  3. Reinhard Sieder. The social history of the family.
  4. Graham Robb. The Discovery of France.