Vitaly, é costume aqui dar gorjeta a motorista de táxi e Uber?

Vitaly, é costume aqui dar gorjeta a motorista de táxi e Uber?

Uma pesquisa pouco confiável do ano 2016

A pobreza em massa é um fenómeno novo para a Rússia pós-soviética (segundo os dados do governo russo, um 15% dos russos vivem abaixo da linha da pobreza, se nós usarmos o padrão ocidental, esse número será muito maior). Assim, a tradição de gorjetas, que desapareceu depois da Revolução de 1917, desde 1991 está voltando.

Os motoristas de UBER/YANDEX ou os garçons dos restaurantes são as pessoas que estão no fundo da sociedade (em geral são migrantes das repúblicas outrora soviéticas, que depois da queda da URSS, caíram na Idade da Pedra: Quirguistão e Armênia, Uzbequistão e Tadjiquistão, Ucrânia e Moldávia). 

O salário diário dos taxistas nos últimos 7 anos caiu 3 vezes (graças à uberização). Se registram os casos das mortes dos taxistas em “seus” carros por trabalhar demais, como também morrem por trabalhar demais os entreguistas de comida, caindo de “suas” bicicletas. Sua vida é quase um inferno com o objetivo de entrar na classe média baixa.

Mas os usuários de UBER/YANDEX/SAVE-TIME também são as pessoas relativamente pobres, que lutam por não cair da classe média baixa ao submundo do UBER!

Em contrapartida os ricos não usam UBER, ou melhor dizendo, os ricos usam algum Uber Super Lux Plus (ou eles tem seus motoristas privados para não pagar nunca pelo estacionamento). 

A maioria dos russos não comem nos restaurantes onde há garçons, eles comem de vez em quando nos restaurantes de autosserviço, onde nem tecnicamente há jeito de deixar gorjetas.

Acontece então que os usuários de UBER, as pessoas que comem nos restaurantes de mass market ou as pessoas que compram a entrega de produtos QUASE NUNCA DÃO AS GORJETAS.

A situação da gorjeta acontece entre um rico e um pobre, e eles tecnicamente podem se encontrar só num lugar de chique, por exemplo, num restaurante do nível mais ou menos alto: cliente e garçom. 

Segundo uma pesquisa da opinião pública (pouco confiável) um 40% dos russos dizem, que deixam as gorjetas nos restaurantes e bares (mas é importante compreender, que a maioria dos russos não comem nos restaurantes com garçons cada dia, senão 1 vez por ano ou por vida). Só um 12% dos russos dão gorjetas aos taxistas (quando o uso de táxis é muito mais frequente e rutinario que comer num restaurante com garçons!).

Os líderes da opinião pública (que representam os ricos) nos aconselham a dar as gorjetas. Mas pela lei ainda não é obrigatório na Rússia.

No setor turístico também as gorjetas se tornam comuns. Alguns de meus motoristas até colocam em seus carros os cartéis: “tips are welcome”. Certos restaurantes já incluem as gorjetas na conta (incluem, porque os clientes não querem dar as gorjetas voluntariamente). Cotando os pacotes turísticos eu nunca espero as gorjetas, nem as incluo, mas a maioria de meus clientes ficam felizes com meu trabalho e deixam as gorjetas, claro que isso soube muito minha autoestima e isso é uma boa inversão de seu dinheiro.

Resumindo, entre os russos a gorjeta ainda não é comum. A última moda é oposta – procurar os cashbacks (programas de recompensa por pagar com certos cartões). Mas no setor turístico as gorjetas são bem-vindas (também pela lógica da desvalorização da Rússia: a Rússia se tornou um dos destinos mais económicos, vale a pena agradecer aos russos).

P.S.

Pode ser curioso que é quase uma tradição aqui de agradecer aos médicos ou aos professores do setor público com os pequenos presentes (tradição se formou no tempo de déficit ao final da Perestroika e avançou no tempo do fome dos anos do capitalismo selvagem). Os presentes podem ser pessoais ou coletivos. Com os coletivos há problemas: os filhos dos pais, que não podem ou não querem pagar tal dinheiro à escola, por exemplo, correm risco de bullying. Porque outros pais pagam – pela pressão da escola ou pela pressão de alguns pais ativistas idiotas. E o dinheiro não sempre vai para o professor ou para as reformas de aulas, este dinheiro facilmente pode ser roubado pelo diretor ou pelo chefe do comité dos pais. Nestes casos as gorjetas direitas seriam mais honestas, e muitos russos preferem presentear algo simbólico (com frequência já em forma de dinheiro), mas diretamente para o professor ou o médico.


About Author

admin

Soy guía profesional en Moscú. Nací en Siberia, viví en varias ciudades de Rusia, pero la mitad de mi vida estoy conectado con la capital. Viví en Colombia, en el Ecuador, trabajé en Venezuela, conozco la ciudad de México. Fui observador político, intérprete militar y petrolero, trabajé con las misiones humanitarias en un área de conflicto armado. Me encanta la historia y la sociología. Pueden encontrar las referencias de mis turistas en TripAdvisor (Guia de Moscou - Tours, o Vitaly Lezov). Tengo 2 niños, amo a mi mujer, practico el esquí de fondo. Aunque soy depresivo, mis turistas me conocen como a una persona de buen humor y autoironía constante.